Investir em ações pode envolver muitos ganhos, mas também riscos para quem decide aportar seu dinheiro em empresas da bolsa. O que pode ajudar a minimizar esses riscos é o estudo de cada negócio antes de fazer o primeiro investimento. Nessa matéria, vamos apresentar a lista com as ações que mais caíram no primeiro trimestre de 2020.

É provável que você também goste:

Imposto de Renda 2020: governo prorroga prazo de entrega.

Beneficiários do Bolsa Família serão os primeiros a receber o coronavoucher.

Quer investir em ações, mas tem medo? Confira algumas dicas.

Quando você compra ações de uma empresa na bolsa de valores, está se tornando um acionista. Isso significa que uma parte pequena daquela empresa é sua. Ou seja, é preciso que você conheça aquele tipo de negócio e acredite no propósito daquela marca, além de crer que ela terá lucro nos próximos meses ou anos.

Para fazer a sua escolha de uma forma mais assertiva, o ideal é analisar o histórico daquela empresa na qual você pretende investir. Claro que não é uma certeza de lucros futuros, mas verificar que ela teve um bom desempenho no passado já é um bom indício. Por outro lado, se você identificar que uma boa empresa está em queda, é uma boa hora para comprar, afinal há grandes chances de que ela se recupere e você possa vender suas ações por um bom preço.

Empresas cujas ações mais caíram no 1º trimestre de 2020

No primeiro trimestre de 2020, muitas empresas sofreram quedas na bolsa de valores. Foi um período difícil para os investidores, principalmente por causa do novo coronavírus que está impactando a economia mundial.

Confira abaixo quais foram as empresas cujas ações mais caíram devido ao impacto da crise, naquela que foi a maior queda da história da bolsa de valores brasileira:

  • IRB (IRBR3) – Preço: R$ 9,68, totalizando queda de 75,15%.
  • CVC (CVCB3) – Preço: R$ 11,10, totalizando queda de 74,66%.
  • Azul (AZUL4) – Preço: R$ 17,55, totalizando queda de 69,89%.
  • Gol (GOLL4) – Preço: R$ 11,37, totalizando queda de 69,10%.
  • Smiles (SMLS3) – Preço: R$ 12,35, totalizando queda de 68,55%.
  • Cogna (COGN3) – Preço: R$ 4,00, totalizando queda de 65%.
  • BRF (BRFS3) – Preço: R$ 15,09, totalizando queda de 57,13%.
  • BTG Pactual (BPAC11) – Preço: R$ 33,24, totalizando queda de 56,34%.
  • Cia. Hering (HGTX3) – Preço: R$ 14,88, totalizando queda de 56,29%.
  • Petrobras (ON) (PETR3) – Preço: R$ 14,14, totalizando queda de 55,81%.
  • Petrobras (PN) (PETR4) – Preço: R$ 13,99, totalizando queda de 53,64%.
  • Yduqs (YDUQ3) – Preço: R$ 22,17, totalizando queda de 53,33%.
  • Via Varejo (VVAR3) – Preço: R$ 5,28, totalizando queda de 52,73%.
  • Cyrela (CYRE3) – Preço: R$ 14,13, totalizando queda de 52,41%.
  • Embraer (EMBR3) – Preço: R$ 9,54, totalizando queda de 51,65%.
  • Ultrapar (UGPA3) – Preço: R$ 12,53, totalizando queda de 50,82%.
  • CSN (CSNA3) – Preço: R$ 6,98, totalizando queda de 50,53%.

É o momento de comprar ações?

Com esses preços baixos, pode ser que muitas pessoas optem por comprar ações de novas empresas nesse período. Como se pode observar pela lista acima, alguma delas têm títulos a menos de R$ 10. Ou seja, economizando com pequenas coisas já dá para se tornar investidor desses negócios.

Porém, será que é uma boa hora para investir na B3 em meio à crise do novo coronavírus? A primeira coisa que você deve considerar é se você já tem uma reserva de emergência. Ter que tirar o dinheiro das ações antes delas darem lucro pode não ser a melhor opção, então certifique-se de que você não vai precisar dele tão cedo.

Além de poder ficar com suas ações no longo prazo, você também deve estar disposto a olhar para seu extrato da corretora, verificar com frequência como estão as suas ações e estudar o mercado para saber o melhor momento de vender ou comprar mais.

Se você quer saber na prática como é esse mundo da bolsa de valores, é válido aproveitar os preços baixos e começar a fazer seus aportes. Escolha uma boa corretora e comece a estudar sobre as empresas que parecem ser uma boa oportunidade para você. Não se esqueça de que as corretoras podem cobrar taxa de corretagem, então fique atento a esses valores.

Como não sofrer com as quedas

Pode ser que não aconteça uma baixa tão intensa como essa causada pela pandemia, mas quedas nos preços das ações são frequentes e você precisa saber lidar com elas. A primeira dica nós já demos acima, que é ter uma reserva de emergência para não precisar vender ações quando elas estão em queda.

Depois, estude o mercado, leia as previsões de especialistas para saber se é hora de vender suas ações ou esperar a próxima alta. Se você puder ver as suas ações todos os dias, certamente saberá identificar mais rapidamente os movimentos de queda e saberá a hora de vender. 

Analise se a empresa cujas ações você comprou tem uma boa gestão, se as pessoas estão consumindo daquela marca e, acima de tudo, se você vê futuro para as vendas dela. Se você achar que o negócio pode falir com a situação atual, então esse é o momento de vender suas ações.

Enfim, gostou da matéria sobre as ações que mais caíram no 1º trimestre de 2020?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Pressfoto / Freepik