O que vem à sua cabeça quando você ouve a palavra investimento? Pode ser algo relacionado à bolsa de valores, renda fixa, imóveis, educação… Mas você já pensou em investir na compra de ouro? O metal está na maior valorização anual desde 2010 e há uma perspectiva de crescimento na cotação do ouro. É comum que em tempos de crise a procura por ele aumente, por ser mais seguro. Na crise norte-americana de 2008, por exemplo, o ouro atingiu um valor elevado.

É provável que você também goste:

Famílias ricas são identificadas pela CGU recebendo Bolsa Família irregularmente

Fique atento para não cair no golpe do boleto falso do IPVA

C6 Bank passa a oferecer fundos de investimento no App Android e iOS

Ele é um ativo muito procurado por quem busca um investimento seguro, principalmente com as tensões no Oriente Médio. O metal chegou a ser negociado perto de US$ 1.600 recentemente. “A história mostra que, na maioria dos resultados, o ouro provavelmente subirá muito além dos níveis atuais”, dizem, em relatório emitido dia 6 de janeiro, analistas como Jeffrey Currie e Damien Courvalin.

Os acontecimentos recentes que balançaram as relações dos Estados Unidos com a China e o Irã são fatores que contribuem para a alta demanda pelo ouro. O ativo é impulsionado por um dólar mais fraco, juros mais baixos e o impacto da guerra comercial sobre a economia. Também pode ser motivo da alta o aumento da demanda por autocatalisadores, por causa dos padrões de emissões mais rígidos.

Esse bom momento do metal, porém, não é de hoje. Em 2018, o ouro empatou com o dólar na lista de aplicações com melhor rendimento no Brasil, com crescimento de quase 17% para ambos. Em nosso país, o preço do ouro está diretamente ligado ao preço do dólar.

Quem pode comprar ouro?

A aplicação é mais indicada para investidores que já possuem recursos distribuídos em outros produtos financeiros, ou seja, têm uma carteira de investimentos diversificada. O ouro preserva patrimônio e compensa o risco de outros ativos, como as ações de empresas.

Para comprar ouro, é preciso procurar uma corretora autorizada pelo Banco Central e pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Entre as mais conhecidas estão a Ourominas, a Parmetal e a Carol DTVM, por exemplo. Evite comprar em lojas indicadas nas ruas que não tenham essa autorização.

As barras vendidas nesses locais são lacradas. É recomendado manter o lacre, senão é preciso pagar para lacrar de novo.

Não quer guardar ouro em casa?

Existem formas de lucrar com esse mercado sem precisar comprar ouro. Uma delas é fazendo contratos na bolsa de valores, a B3.

O principal contrato equivale a uma barra de 250 gramas e tem valor de quase R$ 40 mil. Há também contratos menores se você não quiser investir tanto: o de 10 gramas (cerca de R$ 1.600) e de 0,225 grama (R$ 35). O lado negativo é que o investidor pode ter dificuldade quando quiser esses contratos menores, pois há menos procura.

Também existem os fundos de investimento lastreados em contratos financeiros de ouro. Alguns deles têm aplicação mínima de R$ 1.000. A vantagem dos fundos é que eles não estão sujeitos à variação do dólar e os operadores compram e vendem nos melhores momentos para obter o maior lucro.

Quais são os riscos?

O valor do ouro pode mudar a cada momento, de acordo com vários fatores. Então ele não é uma garantia de que você terá uma alta rentabilidade, apenas não está sujeito as mesmas alterações que as moedas comuns. A seguir, listamos alguns fatores que podem alterar o valor do ouro:

  • Política monetária de diversos países;
  • Oferta e demanda de investidores nas bolsas ao redor do mundo;
  • Importação e exportação de metal entre países;
  • A sazonalidade ao longo do ano;
  • Fatores naturais que afetam a extração do ouro.

Investimentos em alta para 2020

Caso você não se interesse pelo investimento em ouro, há muitas outras opções no mercado para você investir seu dinheiro. Com a taxa Selic a 4,5%, quem busca uma maior rentabilidade está buscando a renda variável, assumindo riscos para que os investimentos cresçam. A perspectiva é de que a renda fixa vinda de títulos públicos não cresça, então quem não deseja investir em ações deve procurar as debêntures, por exemplo, que é a renda fixa privada.

Quem investe em debêntures está investindo em determinada empresa, enquanto ela emite esses papéis por precisar do dinheiro para investir no negócio. É possível comprá-las diretamente na corretora de valores ou por meio de fundos de investimentos, que às vezes misturam renda fixa com renda variável.

A bolsa de valores deve crescer em 2020 e é uma boa opção para quem não quer acabar perdendo dinheiro com a renda fixa. Entretanto, é preciso estudar sobre as empresas nas quais você quer investir e analisar o rendimento daquelas ações nos últimos meses. Um fundo de ações com um bom gestor pode ser a melhor opção para quem não entende tanto do assunto.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: Freepik.