Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Confira quais as moedas que mais desvalorizaram em 2024

Real se desvaloriza 9,5% em 2024 e se torna a sétima moeda mais fraca do mundo. Saiba mais detalhes sobre o ranking

Em um cenário global marcado por incertezas e instabilidade, o real brasileiro se destaca negativamente. Segundo levantamento da Austin Rating, a moeda brasileira se desvalorizou 9,5% em 2024, posicionando-se como a sétima que mais perdeu valor em relação ao dólar entre 118 países.

Assim, no dia 12 de junho, especificamente, o dólar comercial foi cotado a R$ 5,40, o maior patamar desde novembro do último ano, acompanhando uma tendência de alta que já apresenta um acumulado próximo a 10% apenas em 2024. Veja mais detalhes!

Moedas que mais desvalorizaram

Assim, a comparação internacional mostra um cenário ainda mais amplo. Enquanto o Real enfrenta seus desafios, outras moedas como o Naira, da Nigéria, e a Libra Egípcia também sofreram depreciações impactantes, registrando quedas de quase 42,80% e 35%, respectivamente.

Veja também:

INSS divulga importantes mudanças no auxílio-doença e demais benefícios temporários

Em contrapartida, algumas moedas surpreendentemente valorizaram em 2024, como o Xelim do Quênia, que viu um aumento de 21,2%. Isso evidencia a complexidade do mercado cambial e as variadas respostas nacionais às condições globais. Além disso, a moeda do Sri Lanka (6,8%) e da Armênia (4,3%), também tiveram boas valorizações.

Diversas pilhas de moedas douradas com linhas de gráficos sobrepostas
Imagem: Number1411 / Shutterstock.com

Influências sobre o câmbio

Portanto, diversos fatores contribuem para a desvalorização do real, entre eles:

  • Aumento da taxa de juros nos Estados Unidos: A política monetária mais contracionista do Federal Reserve (FED), banco central americano, torna o dólar mais atrativo para investimentos, elevando sua demanda e consequentemente, seu valor;
  • Incertezas no cenário econômico brasileiro: A inflação persistente e o baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) geram cautela por parte de investidores internacionais, que preferem direcionar seus recursos para mercados considerados mais seguros;
  • Queda nos preços das commodities: O Brasil é um grande exportador de commodities, como minérios e produtos agrícolas. A desvalorização das cotações internacionais desses produtos impacta negativamente a receita do país, diminuindo a entrada de dólares e pressionando o real.

Imagem: Number1411 / Shutterstock.com