Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Contas de luz terão bandeira verde em junho novamente; saiba mais

A Aneel confirmou que a bandeira tarifária será verde em junho, eliminando custos adicionais nas faturas. Saiba mais!

A partir de junho, os consumidores de energia elétrica no Brasil sentirão um alívio significativo em suas contas. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que a bandeira tarifária será verde, o que significa a eliminação de quaisquer custos adicionais nas faturas.

Essa decisão terá impacto tanto nas residências quanto nos estabelecimentos comerciais e industriais conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Por que a bandeira tarifária será verde?

Torres de transmissão
Imagem: Fré Sonneveld /Unsplash

O anúncio decorre de uma conjuntura favorável na produção de energia, com os reservatórios das usinas hidrelétricas mantendo níveis de água satisfatórios. Isso viabiliza a produção de energia com custos reduzidos, dispensando a ativação das usinas termelétricas, cuja operação é mais dispendiosa.

A bandeira verde é acionada quando as condições são ideais para a geração de energia a partir de fontes menos onerosas, como as hidrelétricas.

De acordo com a Aneel, esta será a vigésima sexta vez consecutiva que a bandeira verde será aplicada, refletindo um período prolongado de gestão eficiente dos recursos hídricos e energéticos do país.

Como funcionam as bandeiras tarifárias?

Introduzidas em 2015, as bandeiras tarifárias são um sistema que ajusta o custo da energia transmitida aos consumidores com base nos custos de geração. Assim, as bandeiras podem ser verde, amarela ou vermelha, indicando, respectivamente, condições favoráveis, de alerta ou custosas de geração.

Quando as bandeiras amarela ou vermelha são aplicadas, a conta sofre acréscimos a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. No entanto, uma determinação recente promoveu uma mudança substancial nos valores dessas bandeiras.

Para a bandeira amarela, o valor teve uma redução de quase 37%, caindo para R$ 1,885/kWh. Já para a bandeira vermelha, no patamar 1, houve uma queda de 31,3%, chegando a R$ 4,463/kWh. No patamar 2, a redução foi de quase 20%, indo de R$ 9,795/kWh para R$ 7,877/kWh.

Impactos das condições hidrológicas e redução de custos

Em março, a Aneel já havia indicado um cenário positivo ao aprovar uma redução significativa nos valores das bandeiras amarela e vermelha. Essa decisão foi impulsionada pela combinação de um cenário hidrológico favorável e a expansão da geração de energia a partir de fontes renováveis.

Veja também:

Fraude no Enem 2024: PF desmantela esquema de site fraudulento de inscrição

Além disso, o alívio nos preços dos combustíveis fósseis no mercado internacional também contribuiu para essa redução.

Imagem: Fré Sonneveld /Unsplash