Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Crédito imobiliário deve bater novo recorde em 2021, após abertura de novas linhas de financiamento com custos baixos

Fique por dentro do movimento que está ocorrendo no mercado imobiliário.

0

Em 2020 foram investidos R$ 124 bilhões dos recursos da poupança para financiar imóveis novos ou usados, uma alta de 57% ante a 2019.

Após bater o recorde no ano que se passou, o financiamento imobiliário tem a perspectiva de continuar crescendo em 2021, mesmo sem a economia se recuperar e com uma forte possibilidade de alta nos juros.

É provável que você também goste:

Como aumentar seu score de crédito no Serasa em menos de um ano

Empréstimo pelo Caixa Tem ganha nova previsão de lançamento

Durante a pandemia, a discriminação na liberação de crédito aumentou

A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) prevê uma alta de 27% na disponibilização de crédito para imóveis este ano. 

A vontade de adquirir imóveis cresceu em famílias, mesmo com a pandemia. Este novo passo ficou facilitado com os juros caindo expressivamente e houve a criação de novas formas de financiamento, que ampliam o acesso ao crédito. 

A presidente da Abecip, Cristiane Portela, projeta que a expansão se justifica principalmente pela queda do preço a reboque da taxa básica de juros (Selic), que se encontra hoje no patamar mais baixo, 2% ao ano. 

Até mesmo com a expectativa dos economistas que projetam que o Banco Central volte a subir a Selic este ano por conta da inflação e da recuperação econômica, Cristiane Portela acredita que os financiamentos continuarão atraentes e elevarão o mercado imobiliário. 

Mudança comportamental na crise da pandemia

A mudança comportamental das famílias que começaram a ficar mais tempo em casa faz com que a busca por imóveis seja maior; afinal muitas pessoas querem ter um escritório para home office e uma área de lazer infantil. 

A diversidade proporcionou a criação de linhas de crédito com um custo financeiro mais baixo, o que causou aumento ao acesso daqueles que conseguiram manter o emprego, renda e a possibilidade de poupança no momento pandêmico. 

Contudo, aumentou o planejamento e a procura por informação, para que consiga estipular a melhor via para cada perfil de renda, situação familiar ou estratégia e para aqueles que querem comprar um imóvel como forma de investimento. 

Novas formas de corretagem de imóveis

Antes o comprador tinha apenas o financiamento com juros fixo mais a Taxa Referencial (TR) com opção de amortização SAC ou Price. Agora as instituições financeiras disponibilizam opções que partem de taxas pré-fixadas até às linhas indexadas à inflação mensurada pelo IPCA, ou até o rendimento da poupança, que proporciona mais riscos. 

As principais bases de correção de contrato financeiro atualmente se dividem em quatro principais bases. Uma das mais tradicionais é a que utiliza taxa fixa com ou sem correção pela TR, que se encontra hoje zerada. 

O bom é que as prestações não sofrem quase nenhuma alteração, mas os juros são mais altos: 8% normalmente. 

As outras modalidades que existem possuem taxas mais baixas e correções com índices flutuantes, o que propicia um ambiente mais arriscado em longos financiamentos.  

Aquela que corrige a dívida através da inflação possui taxas a partir de 2,95% mais o IPCA que constava 4,52% em 2020. 

A forma mais nova é a que possui correção atrelada ao rendimento da caderneta de poupança. A taxa para o cliente começa com 3,99% mais a variação da poupança.

Luiz Antonio França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias, assente que as linhas com juros mais TR são as mais seguras para uma dívida a longo prazo, mesmo que tenham prestações maiores. 

Mais agilidade e menos burocracia na concessão de crédito

As construtoras oferecem também financiamento direto fora do arsenal de bancos comuns e têm utilizado cooperativas, fintechs ou até mesmo processos internos.

Ante as exigências e o tempo demasiado longo na concessão de crédito bancário, as construtoras têm aumentado o leque de opções de financiamento direto, a fim de facilitar as vendas de lançamentos. 

No foco, estão clientes de renda alta ou investidores, ou seja, pessoas que podem dar uma entrada maior e precisam de financiamento de curto prazo.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: fizkes / Shutterstock.com

Comentários
Carregando...