De acordo com uma pesquisa realizada pelo dfnr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, até julho de 2020, mais de 3 milhões de pessoas tiveram o WhatsApp clonado. Comparativamente ao mesmo período do ano de 2019, os números tiveram queda de 18% no número de ataques. Entretanto, essas ocorrências continuam em patamares assustadores. Aqui neste artigo, saiba como acontece o golpe, e como você pode se proteger.

É provável que você também goste:

Empresas poderão contratar até a metade dos funcionários com contrato por hora

Novo Serasa Limpa Nome agora negocia as suas dívidas pelo WhatsApp

Parceria do Banco Inter e Shell Box vão dar dinheiro grátis em todos pagamentos de combustíveis

Cuidado: mais de 3 milhões de vítimas tiveram o WhatsApp clonado em 2020

Como acontece o golpe?

A pesquisa revelou que, atualmente, há mais de 40 mil links de golpes ativos circulando entre os usuários e que geralmente são compartilhados em redes sociais e aplicativos de mensagens como o próprio WhatsApp.

Infelizmente, estes links levam a páginas nas quais os usuários têm a promessa de conseguir algum benefício. Após clicar em um link malicioso, a pessoa acaba concedendo a permissão para receber as notificações por push, por onde chegam anúncios que geram lucro aos criminosos, além de mais mensagens com novos golpes.

Normalmente, as vítimas são atraídas com promessas de serviços gratuitos ou notícias sensacionalistas. A clonagem do WhatsApp também pode acontecer por meio de uma ligação aleatória, em que o criminoso tenta se passar por um funcionário de alguma empresa com a qual a vítima tem certo tipo de relacionamento. Durante a conversa, há uma tentativa de corrigir algum dado incongruente. É nessa parte que o golpista tenta fazer com que o usuário repasse o código recebido via SMS que permite usar o WhatsApp da pessoa em outro aparelho.

Como se proteger dos golpes

Geralmente, o próprio sistema possui ferramentas que protegem o smartphone contra apps e links maliciosos. De toda forma, é possível usar soluções como o dfndr security como uma camada de proteção extra. Ativar a autenticação em dois fatores também diminui as chances de fraude.

Além disso, nunca clique em links que prometem fornecer serviços gratuitamente se eles forem pagos, muito menos em links com notícias sensacionalistas. Adicionalmente, quando descobrir que uma notícia é falsa, alerte seus amigos e parentes. No site do dfndr também possível checar se um link é confiável.”

Cabe ressaltar que você jamais deve informar códigos recebidos por SMS. Pode se tratar do código de validação do WhatsApp, e você acaba nem percebendo que está fornecendo ao criminoso, uma vez que eles possuem um alto poder de convencimento através de uma ligação telefônica.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o Facebook, Twitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: AjayTvm via shutterstock

Sobre o Autor

Eduardo Mendes

Cofundador

Sou um entusiasta da tecnologia, que também aprecia inovação, empreendedorismo, além de Fintechs e as suas facilidades. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. CoFundador do site Seu Crédito Digital.

Ver todos os artigos