Lucro líquido dos bancos privados recuou 24,6% em 2020 devido à Covid-19

No total, os 24,6% de queda no lucro líquido representam R$ 51,8 bilhões.

0

Os reflexos da pandemia sem dúvida estão sendo colhidos até mesmo pelas grandes empresas. Conforme dados levantados, os bancos privados recuam quase 25% em 2020. Os grandes nomes dos bancos privados do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, tiveram queda de 24,6% no lucro líquido. 

É provável que você também goste:

Nubank se prepara para liberar suporte ao Google Pay


Afinal, será que o C6 Bank superou o Banco Inter?

Atendimento dos bancos tradicionais perde para fintechs e soluções digitais

Bancos privados recuam 24,6% em 2020 

No total, os 24,6% de queda no lucro líquido representam R$ 51,8 bilhões. O motivo do recuo se deve principalmente ao aumento de despesas, por conta de possíveis calotes – as chamadas provisões para devedores duvidosos (PDDs). 

Apesar do recuo, os bancos acreditam que o pior já passou. Desde outubro de 2020, parece estar acontecendo uma melhora no cenário, trazendo assim, mais otimismo aos bancos. 

Um exemplo disso é o Bradesco, que no último trimestre de 2020 registrou o seu maior lucro líquido, em um período de três meses. Foram R$ 6,8 bilhões. Esse ganho foi tanto que superou o seu rival Itaú – o qual desde a fusão com o Unibanco, não era ultrapassado. 

A melhora também possibilitou um aumento na rentabilidade. Afinal, todos obtiveram crescimento do retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROE), apesar de serem valores abaixo de 2019. O Santander, por exemplo, registrou um resultado de 20,2%. 

A reabertura gradual da economia também favoreceu as instituições bancárias, pois  foram reduzidas as despesas para cobrir calotes. Além disso, houve mais prestações de serviço. Outro fator importante é que os bancos tiveram aumento nos empréstimos para pessoas físicas.

Cenário de ânimo X preocupação

Porém, nem tudo é ruim. De acordo com o presidente do Santander Brasil, Sérgio Rial, espera-se que o Brasil se recupere em 2021. Além disso, ele acredita que o país possa se beneficiar da demanda que cresce a cada dia mais, de países da Ásia. Também, Rial afirma que a melhora na economia europeia irá aumentar o consumo dos europeus por produtos do Brasil.

Gostou da nossa matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais através do Facebook, Twitter e Instagram. Assim você fica por dentro de tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo das fintechs.

Imagem: casa.da.photo / Shutterstock.com

Comentários
Carregando...