Em dezembro de 2019, o percentual de famílias endividadas alcançou o maior patamar desde janeiro de 2010. Entre as famílias brasileiras, 65,6% estavam com dívidas, fossem de cartão de crédito, cheques, crédito consignado, crédito pessoal, carnê de loja, prestação de carro ou prestação da casa.

É provável que você também goste:

Caixa pretende diminuir juros do cheque especial para 2% ao mês

A Gol está dando 2.500 passagens aéreas grátis pelo WhatsApp?

INSS adotará medidas para reduzir atrasos nos benefícios

O dado é da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita há dez anos pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Em novembro de 2019, esse percentual era de 65,1%, enquanto em dezembro de 2018 foi de 59,8%.

Essa informação é do total de famílias com dívidas, estivessem sendo pagas em dia ou não. Já um percentual de 24,5% representando as que não estão pagando as contas em dia por falta de dinheiro, ou seja, estão inadimplentes. Houve uma leve diminuição de um mês para o outro nesse número, pois em novembro o percentual de inadimplentes era de 24,7%.

Outro grupo, ainda menor, revelou que continuaria inadimplente por faltar dinheiro para quitar as dívidas, representando 10% do total. Confira os principais tipos de dívidas revelados pela pesquisa:

  • Cartão de crédito – 79,8%
  • Carnês – 15,6%
  • Financiamento de carro – 9,9%

A parcela média da renda comprometida com dívidas aumentou no comparativo anual (29,7% contra 29,3%), porém recuou em dezembro de 2019 para o menor patamar desde junho.

Dezembro costuma ser o vilão das famílias endividadas

Dezembro costuma ser um mês de mais gastos, por conta das festas de fim de ano e das viagens de férias. As famílias que estão inadimplentes, porém, precisam ficar atentas para que as dívidas não cresçam com os juros cobrados por atraso. Em diversos casos, é possível trocar a dívida, pegando um empréstimo com juros baixos para quitar o cartão de crédito ou cheque especial, que cobram juros mais altos.

Usar o cartão de crédito todos os meses leva consequentemente a ter dívidas. O importante é que a fatura seja paga em dia, todo os meses, para evitar os juros do rotativo. Usar o cartão de crédito em algumas situações pode ser uma coisa boa para as finanças, afinal é possível ganhar pontos e milhas, além de adiar um pagamento e poder deixar o dinheiro rendendo mais tempo.

Dicas para as famílias endividadas

Em núcleos familiares em que as dívidas são a situação atual, o foco deve ser conseguir pagar elas em dia, para que o valor não aumente. Outra consequência de não pagar as contas em dia é ficar com o nome negativado, o que impossibilita os pedidos de empréstimo e financiamento.

Ter uma reserva de emergência, para poder pagar as parcelas de compras no cartão e financiamentos é muito importante. Todos os meses, reserve uma parte de seu salário para investir em uma aplicação segura e que renda mais que a poupança. É fundamental poder retirar esse dinheiro quando você precisar, então aplicações de longo prazo não são a melhor opção.

Organizar o orçamento também é importante para quem está endividado. Anotar os gastos, estabelecer um valor máximo para cada grupo de gastos e buscar formas de economizar fazem toda a diferença. Ter aplicativos, planilhas ou cadernos ajuda a ter uma noção melhor de quais são os maiores gastos e o que pode ser cortado.

Em caso de inadimplência, renegociar as dívidas podem fazer elas diminuírem consideravelmente. Existem feirões para limpar nome que podem reduzir a dívida em até 90% se você tiver o dinheiro para pagar no boleto o valor acordado. Esses feirões muitas vezes ocorrem online.

Se você ou sua família tem diversas dívidas e não tem dinheiro para pagar todas, o melhor é priorizar aquela que tem os juros maiores. Assim você previne os danos futuros e consegue se organizar depois para pagar as contas que têm menor potencial de virar uma bola de neve.

Renda extra pode ajudar muito

Por fim, tente buscar uma renda extra para adiantar esses pagamentos o máximo possível. Use seus talentos a seu favor e o tempo livre para conseguir mais dinheiro, seja cozinhando, dirigindo, vendendo roupas que não usa, prestando consultorias etc.

Com uma renda extra entrando todos os meses, é possível ter dinheiro na mão para renegociar as dívidas, no caso de inadimplência, ou conseguir adiantar as parcelas do cartão de crédito para conseguir descontos. Se você tem dúvidas sobre o que fazer para gerar um dinheiro a mais, existem diversos cursos online gratuitos pela internet que ensinam a cozinhar, vender melhor e fazer artesanatos, por exemplo. Dedique um tempo para estudar e encontrar algo que possa te ajudar a se desenvolver e caminhar rumo a uma vida financeira mais equilibrada.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: fizkes, via Shutterstock.