Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Quem recebeu a última parcela do seguro-desemprego em abril tem direito a receber o auxílio emergencial?

0

O presidente Jair Bolsonaro sancionou hoje (7) a Medida Provisória 936/20, que permite redução de salários e jornadas e suspensão de contratos durante a pandemia de Covid-19. No entanto, ele fez 13 vetos, sendo um deles relativo ao pagamento de auxílio emergencial para desempregados que receberam a última parcela do seguro-desemprego em abril. Dessa forma, quem recebeu a última parcela do seguro-desemprego ou março ou abril não tem direito a receber o auxílio emergencial. Confira mais detalhes na matéria!

É provável que você também goste:

Reunião que vai decidir extensão do seguro desemprego (BEm) é adiada.

Bancos dobram para R$ 100 o limite de compras sem uso de senha.

Depósito por boleto com o auxílio emergencial: confira as dicas e esclarecimentos do Nubank

Quem recebeu a última parcela do seguro-desemprego em março ou abril não tem direito a receber o auxílio emergencial

Conforme o texto sancionado por Bolsonaro, é permitida a redução de salários e jornadas e a suspensão de contratos durante a pandemia. Entretanto, os trabalhadores receberam como compensação o BEm (Benefício Emergencial), que será um complemento salarial. Nós falamos mais sobre o BEm nessa matéria.

Por outro lado, trabalhadores demitidos que receberam receberam a última parcela do seguro-desemprego em março ou abril não terão direito ao BEm nem ao auxílio emergencial de R$ 600. Isso porque Bolsonaro vetou o recebimento desse benefício que estava previsto na Medida Provisória 936/20.

De acordo com o governo, isso “contraria o interesse público por conferir tratamento distinto entre os diversos tipos de desempregados de forma injustificada, apenas considerando os que receberam a última parcela de seguro desemprego entre em março e abril”. O presidente argumentou ainda que a medida também institui obrigação ao Poder Executivo, gerando despesa obrigatória sem indicação da fonte de custeio.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Imagem destacada: Brenda Rocha / Shutterstock.com

Comentários
Carregando...