Tag - Documento Nacional de Identificação

Documento Nacional de Identificação ou CPF digital: como vai funcionar?

O Documento Nacional de Identificação Digital (DNI), ou o CPF digital promete digitalizar documentos oficiais de identidade física. A novidade vai oferecer acesso a vários documentos de maneira digital. Por exemplo, o Cadastro de Pessoa Física (CPF), Título de Eleitor e certidões de nascimento e casamento online pelo app Vio, que também é responsável pela Carteira Nacional de Habilitação (CNH Digital). Futuramente, os interessados poderão baixar o aplicativo pelas lojas oficiais, Google Play Store e App Store, para Android e iOS. Entretanto, o aplicativo oficial teve o seu lançamento adiado para 2020.

É provável que você também goste:

Cadastro negativo: SPC e Serasa são obrigados a retirar negativação após 5 anos da dívida?

Documento Nacional de Identificação ou CPF digital: como ele vai funcionar?

O que é e como vai funcionar o Documento Nacional de Identificação?

O DNI é a sigla para Documento Nacional de Identificação Digital, com o qual será possível portar digitalmente vários documentos. Dentre eles, o Cadastro de Pessoa Física (CPF), Título de Eleitor, certidão de nascimento e casamento. O investimento vai permitir o acesso remoto por dispositivos eletrônicos, como Smartphones, tablets e smartwatches. Primeiramente, o CPF e o Título de Eleitor serão os primeiros a constarem na plataforma e, progressivamente, todos os demais deverão ser incluídos. Há a expectativa de que a Carteira de Identidade (RG) também deva estar na plataforma.

Os portadores do Documento Nacional de Identificação poderão apresentá-lo em estabelecimentos que solicitem a identificação. Isso mesmo, sem a necessidade dos documentos físicos. O mecanismo será válido em todo o território nacional. Para acessar o DNI, os usuários precisarão ter uma senha com 6 dígitos ou a sua impressão digital cadastrada para que seja feita a leitura biométrica no app Vio, para Android e iOS. Caso o aparelho com os documentos digitais for roubado ou perdido, a desvinculação do serviço poderá ativada.

Emissão do Documento Nacional de Identificação

O Tribunal Superior Eleitoral é responsável pela emissão do documento digital e coordena o programa de Identificação Civil Nacional. Quando vier ao público, o DNI vai gerar uma sequência numérica exclusiva de nove dígitos, mantendo os demais números dos documentos impressos. De acordo com o TSE, a segurança das informações será garantida por criptografia. Ademais, um QR Code será gerado a cada novo acesso. Com isso, os dados estarão relacionados à data e ao horário de entrada. A ideia é que o aplicativo traga um código de verificação com 20 caracteres, a ser exibido em formato de marca d’água.

A instituição do Judiciário vai usar o banco de dados do Governo para captar as informações biométricas e biográficas da população. Além disso, uma força-tarefa será feita junto à Presidência da República para certificar a expedição do DNI pelos órgãos. Por fim, estes por sua vez, formarão uma parceria com o TSE para alinhar o padrão de identificação biométrica utilizada pela Justiça Eleitoral, que abrange a coleta das dez digitais da mão e a captura da face do cidadão.

O que vai ser preciso para emitir?

A emissão do DNI será gratuita. Contudo, exige que o portador dos documentos faça um pré-cadastro por meio do aplicativo, compatível com dispositivos eletrônicos como celular e tablet. Em seguida, o sistema do software irá informar o posto de atendimento mais próximo do requerente para validar o documento. Ao comparecer no local indicado, o solicitante fará um cadastro biométrico, coleta de impressões digitais e captura de foto na Justiça Eleitoral. É importante ressaltar que caso estes não tenham sido feitos antes isso será necessário. Ou seja, se o solicitante já efetuou o cadastro biométrico, isso não será necessário.

O que acontece com o documento antigo?

Consumidor só pode ficar com o nome sujo por 5 anos

Até momento, não há confirmação oficial sobre o que deverá ser feito com os documentos antigos impressos. Com isso, a perda da validade para o DNI não está prevista até o momento. A substituição completa das versões impressas pelas digitais também não foi mencionada. O cidadão que não tiver um dispositivo eletrônico para o cadastro do DNI, poderá ter o número do ICN no seu documento impresso.

Quando ficará disponível?

O Documento Nacional de Identificação teve uma fase piloto até junho de 2018. Neste período foram realizados testes com os servidores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A previsão para o lançamento do DNI ou CPF digital era para 1º de março de 2019. Contudo, o lançamento oficial foi adiado para 1º de março de 2020 pelo Decreto nº 9.713, de 21 de fevereiro de 2019.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter, Instagram. Assim, acompanhe nossas notícias sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.