Tag - maquininha de cartão

Mercado Pago afirma que celular tomará lugar da maquininha de cartão

celular tomará lugar da maquininha de cartão

Mercado Pago afirma que celular tomará lugar da maquininha de cartão. O PagSeguro revolucionou o setor de maquininhas ao vender equipamentos sem cobrança de aluguel. Com isso, várias empresas também apostaram nesse mercado. Foi o caso do Mercado Pago, empresa de serviços financeiros do Mercado Livre, e mesmo que reconheça a importância desse segmento, a empresa acredita que as maquininhas cairão em desuso, assim como aconteceu com o cheque e o boleto de papel.

Leia mais:

Como pedir o novo cartão do Nubank.

Neon lança seu cartão de crédito sem anuidade.

Assaí vai lançar maquininha de cartão com cashback e sem aluguel.

Mercado Pago afirma que celular tomará lugar da maquininha de cartão

“O que venho falando é que em 2018 o lojista não precisa mais de uma maquininha de cartão. Já temos tecnologia suficiente para fazer uma transação de pagamento com segurança, com rapidez, de forma barata e sem maquininha”, afirma Tulio Oliveira, diretor do Mercado Pago.

O executivo entende que os smartphones tendem a substituir as maquininhas, como já está acontecendo na China. Uma das formas mais populares de pagamento no país asiático é a tecnologia QR Code, recém incorporada pelo app do Mercado Pago. “A estrutura de cartões do Brasil é muito restritiva. Cerca de 50% da população não tem conta em banco. Entre a metade que tem, parte não tem cartão de crédito. Enquanto o celular, todo mundo tem, por isso o poder de utilização dele para pagamento é enorme.”

Celular tomará lugar da maquininha de cartão mas não será da noite para o dia

O executivo também entende que isso não acontecerá da noite para o dia, mas será estimulado devido às vantagens que os novos meios de pagamento oferecerão para o comerciante e para o consumidor.Sendo que o principal atrativo será a redução de custos com as taxas cobradas hoje pelas empresas de maquininhas por cada valor transacionado.

“O ser humano está acomodado em uma situação que é cara e ineficiente. Se botar quanto custa tudo isso, pois o consumidor paga pelos custos do varejista, ele está pagando de 5% a 10% mais caro por toda a infraestrutura que está montada. Isso pode ser mais barato, rápido e massivo”, afirma o diretor do Mercado Livre.

No entanto, para ele, a criação do novo hábito de pagamento depende da ampliação da rede de aceitação de lojistas. O Mercado Pago, por exemplo, para atrair o comércio, está cobrando taxa zero dos pagamentos efetuados com QR Code. Em paralelo, a empresa investe em parcerias com shoppings centers, postos de gasolina, estacionamentos e restaurantes. “Os consumidores vão usar com mais frequência à medida que enxergarem facilidade no mundo físico”, afirma Oliveira.

Gostou da notícia?

Então nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao mundo das fintechs.

Assaí vai lançar maquininha de cartão com cashback e sem aluguel

Assaí vai lançar maquininha de cartão

Assaí vai lançar maquininha de cartão com cashback: A Rede Assaí, do Grupo Pão de Açucar, começará a comercializar as maquininhas de cartão de crédito e débito com a marca “Passaí”. Nos próximos dias, portanto, as vendas do equipamento para clientes da rede que são pessoas jurídicas começam a ser realizadas. O Assaí vende para bares, restaurantes, hotéis, entre outros.

Leia mais:

Caixa também entra na ‘guerra das maquininhas’ sem aluguel.

Convênio entre Bradesco e Sebrae vai oferecer crédito para MEIs e pequenas empresas.

Livre é uma conta digital com cartão de crédito, sem anuidade e sem consulta ao SPC e Serasa.

Assaí vai lançar maquininha de cartão com cashback

No entanto, segundo o diretor financeiro da rede, José Marcelo Santos, o projeto piloto começará em uma loja na zona leste de São Paulo e, até o início de novembro, todas as 130 lojas do Assaí passarão a comercializar o produto.

A maquininha não cobrará aluguel, mas a empresa não informou ainda os valores a serem cobrados pelo equipamento. A informação repassada é que isso será anunciado em breve e que a venda ocorrerá em até 12 parcelas, como já é uma prática do mercado.

A liderança do projeto deverá ficar com a FIC, financeira do Itaú parceira do GPA. O Itaú já oferece outras opções no mercado, como a maquininha Pop Credicard, que foi lançada em julho deste ano.

As maquininhas da marca Passaí poderão ser vendidas para clientes fora da base do Assaí a partir do ano que vem. Mas isso ainda está sendo estudado pela empresa.

O modelo criado no Assaí pelo GPA e Itaú contará com cashback, que é o retorno do dinheiro gasto pelo cliente na maquininha para a própria conta da empresa. Ou seja, há uma taxa de administração paga em cada operação de compra e venda que passa pela maquininha. No Passaí, 10% da taxa retornará como crédito para o cliente usar em compras nas lojas do Assaí. No entanto, essa taxa de administração está, em média, entre 2,5% e 3,5% no mercado de varejo do Brasil.

Gostou da notícia?

Então nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Para assim acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao mundo das fintechs.

App Pagatela substitui maquininha de cartão e é grátis

Pagatela

Hoje em dia, um estabelecimento que não aceita pagamentos no crédito, deixam de vender diversas mercadorias ou serviços. Até porque muitos consumidores estão preferindo pagar as compras diretamente pelo cartão de crédito em vez do dinheiro em papel. Foi pensando nesse público que os empreendedores Augusto Brighenti e Thiago Haddad, fundaram a fintech Pagatela. A startup oferece um meio de recebimento do pagamento via tela do smartphone.

Leia mais:

Santander lança SuperGet e entra na briga dos preços das maquininhas.

Caixa também entra na ‘guerra das maquininhas’ sem aluguel.

Fintech Social Bank permite empréstimo entre pessoas físicas.

O aplicativo tem o objetivo de agilizar os processos de compra e venda de pessoas físicas e jurídicas. “Nosso objetivo é fazer com que todos aceitem cartão, ajudando aos prestadores de serviços e vendedores a aumentarem a agilidade nas transações e otimizarem os custos”, ressalta Thiago Hatddad, sócio da startup.

Embora o processo seja simples para os vendedores, há uma complexa e segura cortina de produção desenvolvida pelos seus especialistas, desenvolvedores e analistas de segurança.

O app, no entanto, segue em evolução constante, com o uso de inteligência artificial, e a fintech aprimora progressivamente tecnologias para combater fraudes. “Todas as transações são criptografadas e os dados dos cartões não são armazenados, diminuindo o risco de fraudes. Além disso, escanear o cartão aumenta a praticidade na transação, sem comprometer a segurança. Resumindo, usamos tecnologia de ponta para deixar a vida do usuário Pagatela mais prática”, conclui Augusto Brighenti.

O app se destaca pela simplicidade e praticidade, ele pode ser baixado para iOS e Android.

Taxa de adesão e taxas

Para ter acesso ao serviço, o vendedor não precisa pagar taxa de adesão ou mensalidade. Apenas deverá pagar taxas por transações, elas variam de 3,99% a 4,99%, o que depende, portanto, do número de parcelas escolhida.

Gostou da notícia sobre o Pagatela?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Para que assim você possa acompanhar os nossos artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao assunto das fintechs.

Fonteterra.