No ritmo atual, vacinação de 70% da população só ocorrerá em 2024, apontam cientistas

Até o momento, o Brasil vacinou apenas 1,5% da população.

0

Se o Brasil mantiver o atual ritmo de vacinação, levará três anos para imunizar 70% da população contra Covid-19. Assim, a perspectiva é de atingir a cobertura de vacinação ideal para voltar ao “antigo normal” apenas em 2024. Entretanto, ainda há espaço para melhorar o desempenho, dizem cientistas. Dessa forma, além de avançar na questão da aquisição de vacinas, o Programa Nacional de Imunização (PNI) deve melhorar a logística, prejudicada pela escassez dos imunizantes; até porque, quanto menos vacinas, mais complexo é organizar a fila de vacinação.

Até o momento, apesar de ter imunizado muitas pessoas, o Brasil vacinou apenas 1,5% de sua população. Outros países estão com um percentual ainda mais baixo, como no caso da Argentina (0,8%), México (0,5%) e Chile (0,4%).

Enquanto a expectativa para o Brasil é pessimista, nações ricas como Estados Unidos, Reino Unido, Israel e Emirados Árabes Unidos estão no caminho para chegar à marca de 70% de vacinação ainda neste ano.

É provável que você também goste:

Trabalhador que recusar vacina pode ser demitido por justa causa, diz MPT

Startup inicia entrega de vacinas por drones em abril

Ganhe mais dinheiro do INSS pedindo a revisão do benefício. Saiba como

Saiba mais sobre a situação da vacinação no país

E a questão vai bem além da imunização. No cenário descrito acima, em que nações ricas controlam a Covid-19 dois ou três anos antes das nações pobres, isso pode se tornar muito preocupante, além de levar ao isolamento dos países em desenvolvimento por restrições de viagem e também comerciais.

Embora o principal problema do plano de vacinação do Brasil seja a falta de vacina disponível, os problemas logísticos e de burocracia também têm um peso razoável. Exemplo disso é que, das 10 milhões de doses prontas para distribuição pelo SUS, só 3 milhões foram aplicadas até a última sexta-feira (5); ou seja, algumas vacinas estão paradas.

Enfim, se contados os 20 dias passados desde o início da campanha de vacinação, o país está vacinando cerca de 165 mil pessoas por dia. Mas, segundo especialistas, esse é um ritmo bem abaixo da capacidade do país, que poderia facilmente imunizar cerca de 2 milhões de pessoas por dia.  Para o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a dificuldade de hierarquizar os grupos a serem vacinados, e evitar furos nessas filas, torna o processo do cadastro ainda mais lento.

Controle de doses dificulta andamento da vacinação

Outro motivo para a demora é que alguns estados e municípios estão reservando a segunda dose da vacina para que quem já tomou a primeira tenha o seu reforço garantido. Porém, o processo conta com escassez e lentidão. Isso porque, como o país não tem o número de doses correto, elas chegam fracionadas, de pouco em pouco. Então o controle se torna muito mais complexo.

Em reportagem no jornal O Globo, um relatório da consultoria Economist Intelligence Unit buscou dar uma resposta mais precisa sobre quando seria possível a imunização de 70% no Brasil. De acordo com a empresa, o país está dentro de um grupo de nações de renda média que conseguiriam vacinar o público não prioritário a partir de setembro deste ano. Assim, a expectativa é que uma “volta ao normal” ocorresse ainda no meio de 2022. 

O que diz o governo sobre o assunto?

Por fim, o Ministério da Saúde afirmou em nota já ter garantido 354 milhões de doses de vacina, suficiente para imunizar 83% da população (com duas doses). No entanto, esse número está em contratos que ainda precisam ser honrados, inclusive com a entrega de ingrediente ativo das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. O número também inclui doses a serem adquiridas via Covax, consórcio articulado pela OMS.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Yuganov Konstantin / Shutterstock.com

Comentários
Carregando...