De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada hoje (24) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), as vendas no comércio varejista nacional recuaram 1% em janeiro de 2020, frente a dezembro do ano passado. Sendo assim, houve um acúmulo de dois meses negativos seguidos. Esse foi o recuo mais intenso para o mês de janeiro desde 2016, quando o setor registrou queda de 2,6%. Confira mais dados da pesquisa nessa matéria.

É provável que você também goste:

5 Cartões de fácil aprovação na crise do coronavírus: SCORE BAIXO E NOME SUJO

Salários de deputados e verbas eleitorais poderão ser usados no combate ao coronavírus

Anatel está oferecendo 7 GB de internet grátis em campanha contra o coronavírus?

Em relação a janeiro do ano passado, as vendas no comércio aumentaram 1,3%. Segundo o analista da pesquisa, Cristiano Santos, mesmo com essa alta, o resultado voltou a mostrar um quadro de perda de ritmo.

“É um crescimento, mas menor a cada ano. A taxa permanece 5,4% abaixo do nível recorde alcançado em outubro de 2014”, explicou, em nota, descartando, por enquanto, qualquer impacto da pandemia do novo coronavírus (covid-19) nos resultados divulgados hoje. “Precisamos esperar os resultados dos próximos meses para avaliar”.

Segundo o IBGE, na comparação com dezembro, duas atividades que puxaram o resultado para baixo foram hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com recuo de 1,2%; e combustíveis e lubrificantes, com queda de 1,4%.

Além desses segmentos, móveis e eletrodomésticos (-1,9%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,6%), e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,2%) foram outros três em queda das oito pesquisadas. Para Cristiano Santos, “o recuo em janeiro é natural, por conta do rescaldo de datas comerciais do fim do ano, como a Black Friday e o Natal”.

Vendas no varejo ampliado apresentaram crescimento

Por outro lado, o comércio varejista ampliado, que inclui veículos e material de construção, apresentou crescimento de 0,6% no volume de vendas, após dois meses de recuos consecutivos. Em relação a janeiro do ano passado, a alta foi mais intensa, de 3,5%, a décima taxa positiva seguida.

O volume de vendas de veículos, motos, partes e peças cresceu 8,5% frente a dezembro do ano passado. No entanto, as vendas de materiais de construção tiveram queda de 0,1%.

Em relação a janeiro de 2019, o comércio de veículos subiu 10,2%. Conforme o analista do IBGE, o aumento se explica pela queda dos juros na aquisição de veículos para pessoas físicas a partir do segundo semestre de 2019.

Santos lembrou que a taxa de juros média foi de 19,7% para janeiro de 2020, enquanto em janeiro do ano passado era de 22,4%.

Fonte: Agência Brasil.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Monkey Business Images, via Shutterstock.