Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Afinal, como o juros rotativo do cartão de crédito funciona?

Saiba mais sobre como funciona o juros rotativo do cartão de crédito e saiba como evitar esta armadilha financeira!

O juros rotativo diz respeito a encargos aplicados sobre o saldo não pago de uma fatura de cartão de crédito após o vencimento. Essa modalidade de juros é uma das mais caras disponíveis no mercado financeiro, sendo crucial entender seu funcionamento para evitar surpresas desagradáveis na sua gestão financeira.

Dessa forma, saiba mais sobre como funciona esse tipo de cobrança e como evitar cair nessa armadilha financeira. Continue a leitura para mais informações!

Como funciona o juros rotativo?

Três cartões de crédito espalhados sobre uma superfície em visão aproximada. juros
Imagem: Teerasak Ladnongkhun / shutterstock.com

Quando o cliente não paga o valor total de sua fatura até a data de vencimento, o saldo devedor é automaticamente sujeito à taxa de juros rotativa. No mês seguinte, esse saldo soma-se ao novo consumo, incrementando rapidamente o total devido.

Ademais, todos os cartões de crédito oferecem a modalidade de juros rotativos. Porém, existem alternativas para quem deseja evitar esses custos. Cartões de pagamento automático, em que o valor da fatura tem seu desconto direto de sua conta ou benefício, podem ser uma boa escolha para manter as finanças em dia sem preocupações com juros adicionais.

Aliás, desde o início de 2024, uma nova regulamentação limitou os juros cobrados no rotativo a até duas vezes o valor inicial da dívida. Isso implica que, se uma fatura de R$ 500 não for paga, a soma de juros e encargos não poderá ultrapassar R$ 1.000. Esta medida procura proteger o consumidor de dívidas exorbitantes derivadas de juros sobre juros.

Como evitar seu uso, afinal?

Para evitar o uso do crédito rotativo, é essencial planejar seus gastos e se assegurar de que poderá pagar a fatura em sua totalidade.

Caso enfrente dificuldades em um determinado mês, entrar em contato com a instituição financeira para negociar um parcelamento pode ser muito mais vantajoso do que recorrer ao rotativo. Dessa forma, é possível conseguir menores taxas de juros e prazos estendidos para pagamento.

Veja também:

Caixa Econômica Federal disponibiliza saque online do FGTS; confira!

Por fim, para ilustrar a cobrança do juros rotativo, suponha uma fatura de R$ 1.200, com um pagamento mínimo realizado de R$ 200 e uma taxa de juros de 8% ao mês. O saldo devedor, nesse caso, é R$ 1.000. Com um IOF diário de 0,0082% e mensal de 0,38%, o valor total devido no próximo mês considerando juros e IOF seria aproximadamente R$ 1.086,26.

Imagem: Teerasak Ladnongkhun / shutterstock.com