Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Arroz importado será vendido por R$ 4 o quilo ao consumidor

Saiba mais informações sobre a venda de arroz importado pelo governo brasileiro a fim de manter o abastecimento do alimento no país!

A recente tragédia das enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul teve um grande impacto na produção de arroz, essencial para a alimentação do país. Diante dessa situação, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) tomou medidas importantes para garantir que não falte arroz nas mesas dos brasileiros.

Dessa forma, isso resulta na venda deste alimento importado pelo governo a preços acessíveis, logo, por R$ 4 o quilo. Continue a leitura para mais informações!

Governo importará arroz para garantir abastecimento aos brasileiros

arroz
imagem: Suwan Wanawattanawong / shutterstock.com

Em uma ação emergencial, a Conab, estatal vinculada ao Ministério da Agricultura, planeja a compra de 104 mil toneladas de arroz dos países do Mercosul, como o Paraguai, Uruguai e Argentina. Esse arroz terá sua distribuição por meio de leilões públicos em estados como São Paulo, Minas Gerais, e Rio de Janeiro.

O presidente da Conab, Edegar Pretto, afirmou que o arroz adquirido terá uma embalagem especial do governo federal, assim como a indicação do preço a ser cobrado. Além disso, ele enfatizou que o preço máximo ao consumidor seria de R$ 4 por quilo, como medida para combater a especulação e garantir acessibilidade.

Esse plano é parte de uma medida provisória que permite a importação de até um milhão de toneladas de arroz. Essa decisão acontece em resposta não apenas às enchentes no Rio Grande do Sul, que destruíram uma parte significativa das lavouras, mas também como uma forma de prevenir a escassez e garantir o abastecimento nacional.

Veja também:

Arroz começam a desaparecer das prateleiras de supermercado

Outras medidas para assegurar o abastecimento

Carlos Fávaro, ministro da Agricultura, reafirmou que o objetivo do governo não é concorrer com os produtores de arroz do Rio Grande do Sul, mas sim complementar a oferta e evitar um aumento descontrolado nos preços. Ele garantiu que, apesar das perdas significativas, a maior parte da safra de arroz já teve sua colheita assegurando uma base para o abastecimento. Ademais, vale destacar que:

  • Primeiro leilão marcado para a próxima terça-feira (21);
  • O arroz importado terá sua distribuição nos portos de Santos, Salvador, Recife e Itaqui;
  • Os sacos de arroz terão 2kg cada um;

Por fim, antes das enchentes, a previsão era que o Rio Grande do Sul colhesse cerca de 7,475 milhões de toneladas de arroz. Contudo, com os danos causados pelo evento climático, o novo cálculo aponta para uma colheita reduzida para aproximadamente 7,149 milhões de toneladas. Dessas, 114 mil toneladas foram diretamente perdidas devido às áreas submersas, que ocupam cerca de 22,9 mil hectares.

imagem: Suwan Wanawattanawong / shutterstock.com