Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Bolsa Família para pessoas que moram sozinhas: veja como receber até R$ 600

Descubra como indivíduos que residem sozinhos podem se qualificar para o Bolsa Família e receber até R$ 600.

O Bolsa Família é um programa de grande importância no cenário social brasileiro, oferecendo apoio financeiro para famílias em situação de vulnerabilidade. No entanto, para pessoas que vivem sozinhas, conhecidas como famílias unipessoais, surgem dúvidas sobre como se enquadrar nas regras do programa.

Neste texto, vamos esclarecer os critérios necessários para receber o Bolsa Família. Além disso, mostrar as novas diretrizes para quem mora sozinho e os compromissos que devem ser cumpridos para manter-se no programa.

Bolsa Família: quais são os critérios para receber o benefício?

Mão segurando celular com tela mostrando nome do programa Bolsa Família
Imagem: rafapress / Shutterstock.com

Para se tornar um beneficiário do Bolsa Família, é necessário atender a critérios específicos. Primeiramente, a família deve estar inscrita no Cadastro Único (CadÚnico), um sistema que reúne informações sobre famílias de baixa renda.

Ademais, manter o cadastro atualizado é essencial para garantir a elegibilidade a programas de assistência social, como o Bolsa Família. Para se qualificar, a renda per capita mensal familiar não pode ultrapassar R$ 218.

Isso porque o programa é direcionado a famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza, buscando garantir condições mínimas de subsistência. Desse modo, os recursos financeiros mensais variam de acordo com a composição familiar e a renda declarada no Cadastro Único (CadÚnico).

Novas regras para quem mora sozinho

Recentemente, uma nova regra foi implementada no programa, estipulando que apenas 16% do valor total repassado a cada município podem ser destinados às famílias unipessoais. Ademais, esses beneficiários receberão um valor fixo de R$ 600.

No entanto, essa mudança não afeta os beneficiários atuais, sendo aplicável somente para novas concessões do benefício. Assim, o Bolsa Família exige do beneficiário o cumprimento de algumas obrigações nas áreas de saúde e educação.

Por exemplo, incluem-se entre elas o acompanhamento pré-natal, monitoramento da vacinação e do estado nutricional de crianças menores de 7 anos, além de assegurar uma frequência escolar mínima. Por fim, o Cadastro Único da família deve ser atualizado pelo menos a cada 24 meses.

Calendário de pagamentos do Bolsa Família

O pagamento do Bolsa Família é definido pela terminação do Número de Identificação Social (NIS) do beneficiário. Por exemplo, se o NIS termina em 1, o pagamento será feito no dia 16 de fevereiro. Para saber a data de pagamento associada ao seu NIS, consulte o calendário:

  • NIS terminado em 1: 16 de fevereiro;
  • NIS terminado em 2: 19 de fevereiro;
  • NIS terminado em 3: 20 de fevereiro;
  • NIS terminado em 4: 21 de fevereiro;
  • NIS terminado em 5: 22 de fevereiro;
  • NIS terminado em 6: 23 de fevereiro;
  • NIS terminado em 7: 26 de fevereiro;
  • NIS terminado em 8: 27 de fevereiro;
  • NIS terminado em 9: 28 de fevereiro;
  • NIS terminado em 0: 29 de fevereiro.

Imagem: Divulgação / Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome