Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Aprenda como criar uma reserva de emergência

Em 5 passos, estabeleça objetivos e conquiste mais segurança para o seu futuro

0

Para quem não tem o hábito de guardar ou investir dinheiro, qualquer tipo de emergência financeira pode se tornar um pesadelo. E o pior: ser obrigado a recorrer a créditos e empréstimos rápidos com juros abusivos, dando um passo a mais para acabar endividado. É por isso que, quando algo assim acontece, o ideal é contar com uma reserva de emergência.

E não apenas para emergências, mas também para realizar algum tipo de objetivo a longo prazo, como comprar um imóvel, por exemplo, ou aposentar-se com tranquilidade. Portanto, para aprender como criar uma reserva financeira, confira as dicas a seguir!

Aprenda como criar uma reserva de emergência

Primeiramente, vale explicar que a reserva de emergência é o termo que a maioria das pessoas do mercado financeiro usa para se referir ao valor que cada pessoa deve ter guardado/aplicado para casos como problemas de saúde, demissões ou gastos inesperados. Porém, muitas pessoas fazem a reserva também para ter uma tranquilidade maior no futuro.

Seja membro

Dessa forma, a reserva de emergência é indicada para todas as pessoas, sejam elas investidoras ou não. Contudo, para muitas pessoas, guardar dinheiro todos os meses e começar a poupar de verdade é um grande desafio. E é por isso que daremos algumas dicas sobre isso.

Mas, afinal, de quanto deve ser essa reserva financeira? Bem, a verdade é que acontecimentos como problema de saúde ou uma demissão podem ser repentinos e casuais, mas também se estender por um período longo. Por isso, o ideal é que cada pessoa tenha uma reserva com o valor necessário para se bancar, pelo menos, por um período de 6 meses. Desse modo, se você tem uma renda de R$ 5 mil, sua reserva deve ser, no mínimo, de R$ 30 mil.

5 dicas para começar a construir sua reserva hoje mesmo

Enfim, vamos aos termos práticos, mostrando a você algumas dicas para construir sua própria reserva de emergência, ou reserva financeira. Confira!

1. Organize seus ganhos e gastos

A primeira dica é clássica: controle financeiro. Para começar a poupar, você precisa de planejamento no seu dia a dia. Por isso, comece somando o salário líquido de todos os integrantes da casa que contribuem com as contas, e anote esse valor. Em seguida, some todas as despesas fixas que você e sua família têm, e subtraia esse valor da receita para encontrar a quantia que você precisa para pagar suas contas em dia todos os meses. Por último, multiplique esse valor por 6. O resultado é o valor que você deve começar a juntar mensalmente.

2. Defina um valor a ser poupado

O segundo passo é definir um valor a ser guardado em sua reserva de emergência. Por ser uma quantia considerável, pode levar tempo para que você atinja seu objetivo. Por isso, mais importante do que o valor é a constância. Mesmo que pareça difícil, junte um pouco todos os meses. Além disso, o valor deve ser realista: não adianta estabelecer uma meta que você nunca vai atingir, ou um valor muito acima do que consegue guardar. Então, a quantia deve desafiar você, mas também ser algo tangível.

3. Defina objetivos e metas

Como já mencionamos, nem sempre a reserva para emergências vai ser usada para resolver um problema, e ter objetivos definidos para ela pode deixar você mais motivado. Alguns aplicativos de controle financeiro permitem que o usuário preencha suas metas quantitativas e acompanhe a evolução do patrimônio todos os meses. Que tal pesquisar e adotar um deles no dia a dia?

4. Invista seu dinheiro em ativos com liquidez diária

Uma vez que você começou a juntar o dinheiro, o próximo passo é aplicar o valor em ativos que sejam seguros e possam ser acionados a qualquer momento. A melhor opção, nesses casos, são os CDBs com liquidez diária, e que rendam pelo menos 100% do CDI. Assim, você garante que seus recursos vão render mais do que a poupança no período em que estiverem aplicados.

5. Atinja 6 meses do seu custo mensal e continue guardando

Por fim, como o objetivo da reserva de emergência é juntar o valor suficiente para se manter por um período, quando você atingir o valor total, não precisa parar de poupar. Pelo contrário: agora que você está estável financeiramente, e tem mais segurança, consegue guardar seu dinheiro para outros fins, ou investir em algo que faça sentido para você.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o FacebookTwitterTwitch e Instagram. Assim, você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de créditoempréstimosfintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: Billion Photos / shutterstock.com

Comentários do Facebook

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.