Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Dado importante sobre superendividamento é revelado; confira agora

Descubra o dado crucial sobre superendividamento e como isso impacta você. Não perca esta informação vital; clique aqui para mais!

As estatísticas revelam um aumento no número de brasileiros afetados pelo superendividamento, especialmente entre certos grupos demográficos. O comprometimento com dívidas de consumo e a instabilidade financeira desafiam muitos cidadãos. A legislação também aponta critérios e soluções para essa questão que afeta milhões de pessoas.

Uma parcela substancial dos brasileiros está enfrentando superendividamento, com mais de 35% da renda comprometida por empréstimos e dívidas, especialmente na faixa de renda entre R$ 3 mil e R$ 5 mil. Isso afeta autônomos, servidores públicos e beneficiários do INSS, refletindo desafios financeiros generalizados que prejudicam a capacidade de poupança e o bem-estar econômico.

Quais são os principais fatores que levam ao superendividamento?

Como funciona a nova lei do superendividamento
Imagem: Prostock-studio / Shutterstock.com

Além do alto comprometimento da renda, o superendividamento no Brasil é muito influenciado pelo uso do cartão de crédito. Esta ferramenta, apesar de útil, se torna um grande vilão quando mal administrada, representando a principal fonte de endividamento para 63,6% dos entrevistados pela Anas. Os empréstimos pessoais e consignados também aparecem com destaque entre as causas.

Veja também:

Confira onde consultar via CPF para você receber auxílios

Identificar o próprio superendividamento é o primeiro passo para buscar soluções. Segundo a Lei do Superendividamento (14.181/2021), há claros indicativos que podem ajudar nesta identificação, como o comprometimento de mais de 35% da renda mensal em dívidas. Outros sinais incluem inadimplência constante e redução drástica da renda disponível para necessidades básicas.

O que fazer nesses casos?

  1. Solicite a portabilidade do saldo devedor: isso pode reduzir as taxas de juros, especialmente se você estiver lidando com dívidas de cartão de crédito ou cheque especial.
  2. Utilize benefícios adicionais: considere usar o 13º salário para abater parte das dívidas mais urgentes.
  3. Venda bens não essenciais: se possível, venda itens como um carro, se não for essencial para o trabalho, e use o valor para liquidar débitos.
  4. Refaça seu orçamento: evite gastos desnecessários e tente reestruturar seu orçamento para priorizar a quitação das dívidas.

O superendividamento no Brasil não é apenas um problema econômico, mas também social, que requer conscientização e educação financeira. O apoio de entidades como a Anas e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) se faz crucial para que os impactados possam encontrar caminhos para restaurar sua saúde financeira e, consequentemente, sua qualidade de vida.

Imagem: Basicdog / shutterstock.com