Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Demissões no Itaú são alvo de protesto; saiba mais

Bancários realizaram uma série de protestos contra demissões no Itaú na última terça-feira (28). Saiba mais informações!

Uma onda de protestos aconteceu na última terça-feira (28) contra recentes demissões no banco Itaú. Na ocasião, funcionários em diversas cidades brasileiras se organizaram para manifestar o descontentamento com essa situação.

Dessa forma, os sindicatos dos bancários atuaram para organizar as manifestações em Feira de Santana (BA), Teresina (PI), Recife e Região Metropolitana (PE), além de cidades do Rio de Janeiro. Leia mais na sequência.

Bancários fazem protesto contra demissões no Itaú

Fachada de uma agência do Itaú.
Imagem: SERGIO V S RANGEL / shutterstock.com

A pauta principal dos protestos girou em torno das demissões recentes no Itaú. Ainda, processos de terceirização, fechamento de agências bancárias, bem como o crescente índice de adoecimento mental, também são motivos para essas manifestações.

O estado de Pernambuco, por exemplo, viu a paralisação total de dez agências na capital e na região metropolitana. Em Feira de Santana, o alvo foi a agência Maria Quitéria, onde houve demissões motivadas por assédio moral.

Veja também:

Rodovias terão 649 novos radares; veja onde eles serão instalados

Logo, os protestos têm como objetivo expor à sociedade as condições enfrentadas pela categoria. Segundo Fabiano Moura, presidente do Sindicato dos Bancários de Pernambuco e membro do Comando Nacional dos Bancários, os lucros exorbitantes que o banco obteve no ano de 2023 não condizem com práticas que prejudicam a categoria.

Sindicato alega precarização do trabalho bancário

Um balanço do próprio Itaú revela que, no período de um ano, de setembro de 2022 a setembro de 2023, o banco fechou 1.082 postos de trabalho e 180 agências físicas.

Essa redução no número de postos de trabalho e agências tem contribuído para o aumento do desemprego e da precarização do atendimento bancário. O sindicato argumenta, ainda, que o fechamento das agências está levando a um aumento na sobrecarga de trabalho e ao adoecimento dos funcionários.

Sendo assim, durante o protesto em Feira de Santana, foi possível ver várias faixas e cartazes alertando sobre esse problema.

Imagem: SERGIO V S RANGEL / shutterstock.com