Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Você sabia que é possível ganhar na loteria e ir à falência?

2

Em outubro de 2018, a loteria americana – Mega Millions havia acumulado o maior prêmio da história dos EUA – US$ 1,5 bilhão, sem ter vencedores desde o final de julho. A probabilidade de ganhar é 400 vezes menor do que ser atingido por um raio, para você ter uma noção. Contudo, o ganhador pode não ter sido tão sortudo assim, de acordo com estudos.

Leia também:

Quais bens não podem ser penhorados para pagamento de dívidas?

Cartão de crédito BMG é a opção do momento pra quem tem Score baixo

Seja membro

Você sabia que é possível ganhar na loteria e ir à falência?

Primeiramente, o prêmio é bem menor do que parece. Com o único ganhador, o apostador pode optar em receber um pagamento único de US$ 878 milhões, ou receber US$ 1,5 bilhão em parcelas anuais que aumentam progressivamente em 30 anos.

Depois disso, vem o imposto. Caso o apostador venha de um Estado Americano que não cobre impostos sobre a loteria, como a Flórida ou Texas, e optar pelo montante único, o governo abocanha US$ 211 milhões, restando US$ 667 milhões do prêmio original. Entretanto, como o vencedor é da Carolina do Sul, seriam pagos mais 7% de imposto, e sobrando US$ 606 milhões.

Porém, não é somente este o problema. De acordo com estudos, simplesmente o fato de ganhar na loteria apenas adia a falência, e um terço dos ganhadores perde tudo. Em um artigo de 2001, os economistas Guido Imbens e Bruce Sacerdote, em parceria com o estatístico Donald Rubin, mostraram como isso acontece, e principalmente que as pessoas tendem a gastar ganhos inesperados.

Outrossim, uma análise financeira de ganhadores de loteria, realizada aproximadamente dez anos depois de eles conquistarem o prêmio, revelou que essas pessoas economizaram apenas 16 centavos de cada dólar recebido.

Como um ganhador de loteria consegue gastar centenas de milhões de dólares tão depressa?

Além disso, gastar tudo significa não comprar bens, e somente utilizar o dinheiro para passeios, viagens e restaurantes.

Existe um exemplo de um fato que realmente ocorreu. Um americano chamado Huntington Hartford, que viveu entre os anos de 1911 a 2008m, herdou a fortuna da Great Atlantic & Pacific Tea Company. A empresa foi aberta pouco antes da Guerra Civil e é mais conhecida como a rede de supermercados A&P.

A rede de supermercados A&P foi a primeira loja de alimentos de costa a costa dos EUA e, da Primeira Guerra Mundial até a década de 1960. Na prática, era o que o Walmart representa para os consumidores americanos de hoje.

Hartford herdou aproximadamente US$ 90 milhões quando tinha 12 anos. Caso façamos a correção do valor pela inflação, significa que ele ganhou mais de US$ 1,3 bilhão (depois dos impostos) quando criança. Entretanto, ele declarou falência em 1992, aproximadamente 70 anos depois de receber uma das maiores fortunas do mundo.

Ele teve o efeito contrário do toque de Midas. Ou seja, perdeu milhões comprando imóveis, criando um museu de arte, patrocinando peças teatrais e espetáculos. Combinou a falta de aptidão para os negócios com um estilo de vida excepcionalmente luxuoso. Por fim, ele declarou falência e viveu recluso nas Bahamas com uma das filhas até morrer.

Que a sorte esteja ao seu lado

A história de vida de Hartford, associada às pesquisas acadêmicas, mostram que dinheiro que cai do céu nem sempre traz felicidade. Esbanjar é mais fácil do que parece.

Se você jogou na loteria e não ganhou, te desejo mais sorte da próxima vez. Se apostou e ganhou, te desejo ainda mais sorte.

Todavia, uma das lições mais importantes, independentemente de jogar ou não na loteria, é que, ao receber um dinheiro inesperado, você deve pensar no futuro e resistir à tentação tão humana de gastar tudo.

*Jay L. Zagorsky é professor adjunto da Universidade de Boston, nos Estados Unidos. Este artigo foi publicado originalmente no site de notícias acadêmicas The Conversation e republicado aqui sob uma licença Creative Commons.

Gostou da notícia?

Então nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Acompanhe nossas notícias e artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos e empréstimos. Por fim, bem como tudo relacionado ao mundo das fintechs.

Comentários do Facebook

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.