Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

INSS: governo descarta desvinculação de aposentadorias do salário mínimo

O governo nega corte no piso das aposentadorias do INSS. Descubra o plano do governo para os próximos passos

O debate sobre a sustentabilidade fiscal do Brasil tem sido uma constante nas pautas dos órgãos governamentais. Assim, recentemente, questões referentes à aposentadoria e outros benefícios previdenciários foram discutidas amplamente, trazendo à tona possíveis mudanças que poderiam afetar diretamente a população brasileira.

No entanto, nesta semana, a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet (MDB), participou de uma audiência pública na Comissão Mista de Orçamento. Lá, ela garantiu que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não tem intenções de desvincular o piso das aposentadorias do salário mínimo, uma preocupação que vinha causando agitação entre os cidadãos brasileiros.

Vinculação das aposentadorias ao salário mínimo

Portanto, negando os rumores, a ministra Tebet foi enfática ao declarar que tal medida não está sendo considerada pela equipe econômica atual. No entanto, segundo ela, o foco está, na verdade, na modernização de outros benefícios como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o abono salarial do PIS/Pasep, e o seguro-desemprego.

Assim, durante a audiência, a ministra revelou que as discussões sobre a modernização dos benefícios ainda estão em um estágio inicial e sendo conduzidas pelos técnicos da pasta. Dessa forma, essa modernização visa adaptar as políticas públicas às necessidades atuais da sociedade, sem prejudicar a valorização da aposentadoria já conquistada pelos cidadãos.

Papel com a palavra "aposentadoria" colocado em cima de uma carteira de trabalho, uma calculadora e uma nota de cem reais.
Imagem: Brenda Rocha – Blossom / shutterstock.com

Ajuste fiscal no Brasil

Além disso, a ministra também salientou que o país está entrando na fase mais complicada do ajuste fiscal, que inclui uma significativa revisão de gastos. Assim, Tebet mencionou que, embora o espaço para novas medidas de aumento de arrecadação esteja diminuindo, é imprescindível acelerar o processo de revisão para manter a saúde fiscal do país, o que pode incluir:

  • Eliminação de fraudes em programas sociais;
  • Redução de incentivos fiscais;
  • Requalificação dos gastos públicos em áreas como saúde e educação.

Enfim, essas iniciativas são essenciais para que o governo possa manejar melhor seus recursos e garantir a continuidade dos programas sociais fundamentais para a população.

Imagem: Brenda Rocha – Blossom / shutterstock.com