Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Ministro pede pra Haddad R$ 700 milhões para expandir Bolsa Família; saiba mais

O Bolsa Família do RS poderá receber um reforço de R$ 700 milhões em verbas para atender famílias afetadas por enchentes

Diante das recentes enchentes que assolaram o Rio Grande do Sul, discussões sobre auxílio e recuperação têm dominado as agendas políticas do estado. Assim, uma das medidas emergenciais envolve o Bolsa Família, que necessitará uma considerável ampliação no orçamento para o ano de 2024.

Dessa forma, essa necessidade de recursos adicionais, estimada pelo ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias, em R$ 700 milhões, tem como finalidade principal incluir cerca de 80 mil novas famílias gaúchas no programa. 

Assim, esse reforço busca não apenas assistir os afetados diretamente pelas enchentes, mas também garantir a estabilidade fiscal do programa a longo prazo. Veja mais detalhes!

Por que o Bolsa Família precisa de mais recursos

Portanto, o aumento do orçamento direcionado ao Bolsa Família tem um papel crucial para atender a uma vulnerabilidade recém-descoberta entre as famílias gaúchas. De acordo com Dias, é preciso disponibilizar esse recurso extra para incluir mais famílias ao programa social.

Além disso, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) planeja investir R$ 8,1 bilhões em programas que incentivem a empregabilidade local, focando na contratação de mão de obra do próprio estado para trabalhos de limpeza e reconstrução das áreas públicas e urbanas.

Adicionalmente, está previsto o pagamento de duas parcelas de R$ 400, destinadas às famílias que tiveram suas residências devastadas pelas águas.

Mão segurando celular com tela mostrando nome do programa Bolsa Família
Imagem: rafapress / shutterstock.com

Impacto do incremento

Portanto, o plano de incremento no orçamento do Bolsa Família, assim como os auxílios diretos às famílias desabrigadas, objetiva não só a recuperação a curto prazo, mas também a preparação para o futuro fortalecimento socioeconômico da região. 

Assim, a ideia é que, ao empregar os próprios cidadãos nas obras de reconstrução, haja uma dinamização da economia local, promovendo uma retomada mais robusta e sustentável.

Veja também:

Banco PAN lança CDB com rendimento de 130% do CDI; saiba mais

Dias ainda afirmou ao Estadão que a integração de novas famílias ao Bolsa Família e as melhorias no sistema de auxílio devem gerar um ciclo positivo de desenvolvimento, enquanto se cuida da reconstrução do que foi perdido.

Imagem: rafapress / shutterstock.com