Recentemente, o Banco Central do Brasil divulgou os detalhes da proposta para a implementação do Open banking no Brasil. O novo sistema tem como objetivo principal promover a competição dentro dos sistema financeiro. Com isso, reduzir aos poucos a concentração nos grandes bancos, que acontece aqui no nosso país. A expectativa do BACEN é que comece a funcionar a partir do segundo semestre do ano que vem.

É provável que você também goste:

Jair Bolsonaro tira do ar propaganda do Banco do Brasil, assista ao vídeo.

Santander e Bradesco possuem empréstimo sem consulta ao SPC e Serasa.

Cuidado com o golpe do empréstimo sem consulta ao SPC e SERASA no Banco Inter.

Open banking vai aumentar a concorrência das fintechs com os grandes bancos

“Em linha com a recém-aprovada Lei de Proteção de Dados Pessoais, o open banking parte do princípio de que os dados bancários pertencem aos clientes e não às instituições financeiras. Dessa forma, desde que autorizadas pelo correntista, as instituições financeiras compartilharão dados, produtos e serviços com outras instituições, por meio de abertura e integração de plataformas e infraestruturas de tecnologia, de forma segura, ágil e conveniente.”, informou o Banco Central do Brasil.

No segundo semestre de 2019, a proposta e os atos normativos serão submetidos á consulta pública. De acordo com a formatação da proposta, serão compartilhados os seguintes dados e serviços, paulatinamente:

  • Produtos e serviços oferecidos pelas instituições participantes;
  • Dados cadastrais dos clientes;
  • Dados transacionais dos clientes;
  • Serviços de pagamento.

Tudo deve funcionar integrado em apenas um aplicativo. Os clientes poderão visualizar em um único aplicativo o extrato consolidado de todas as suas contas bancárias e investimentos. Será possível ainda realizar transferências de recursos e efetuar pagamentos, sem necessitar acessar diretamente o app do banco.

O Open banking é uma tendência mundial, e já funciona na Comunidade Europeia desde 2018. A tendência é que aos poucos, mais mercados adotem o sistema.

Por fim, os bancos deverão promover uma autorregulação para regulamentar o padrão tecnológico. Ou seja, a definição de procedimentos operacionais que envolvem questões de segurança e proteção de dados e de integração entre os diferentes sistemas utilizados pelos bancos.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter, Instagram. Assim, acompanhe notícias sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.

Via UOL