Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Operação policial revela fraude milionária e desvio no Auxílio Emergencial

Fraude milionária no Auxílio Emergencial! Operação Falso Egídio prende quadrilha e recupera R$ 10 milhões desviados da Caixa Econômica.

Uma quadrilha especializada em fraudar o Auxílio Emergencial foi desmantelada na última quarta-feira (10) pela Polícia Federal em uma operação conjunta em diversos estados brasileiros.

Denominada Operação Falso Egídio, a ação revelou um esquema sofisticado que desviou cerca de R$ 10 milhões dos cofres públicos.

O esquema contava com a participação de funcionários da própria Caixa Econômica Federal, que facilitavam o acesso dos criminosos aos sistemas internos do banco. Saiba mais!

Fraude no Auxílio Emergencial: como funcionava?

Imagem de uma pessoa segurando um celular com a tela no app do "Auxílio Emergencial". Ao fundo, uma tela no site do auxílio.
Imagem: Sidney de Almeida / Shutterstock.com

Os criminosos se aproveitavam da colaboração interna de um funcionário e duas colaboradoras terceirizadas da Caixa para inserir dados falsos nos sistemas do banco.

Com isso, eles obtinham acesso às contas digitais de beneficiários do Auxílio Emergencial e desviavam os valores para contas fraudulentas.

Para despistar as autoridades, os criminosos registravam essas contas em nome de pessoas em situação de vulnerabilidade social, como moradores de rua.

Como isso prejudica os programas sociais?

As fraudes não apenas causaram um prejuízo financeiro significativo ao Estado, mas também comprometeram a credibilidade dos programas sociais e privaram cidadãos necessitados do auxílio a que tinham direito.

As contas em nome de “laranjas” eram usadas para movimentar grandes somas de dinheiro desviado, colocando em risco a integridade dos sistemas de transferência de renda da Caixa Econômica Federal.

Operação Falso Egídio no combate ao crime organizado

A operação contou com aproximadamente 80 policiais federais, que cumpriram 11 mandados de prisão temporária e 16 mandados de busca e apreensão em diversos estados, incluindo Rio de Janeiro, São Paulo, Amazonas, Mato Grosso do Sul e Piauí.

Veja também:

Justiça do RS decide que a Cobasi pare de vender animais em shoppings do Brasil

Os suspeitos estão sendo investigados por crimes como furto qualificado, inserção de dados falsos em sistemas de informação, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. A ação da Polícia Federal foi crucial para interromper esse esquema criminoso e proteger os recursos públicos.

Imagem: Sidney de Almeida / Shutterstock.com