O alto preço dos alimentos vem reforçando o movimento de sindicatos e políticos que são adeptos em manter o auxílio emergencial em R$ 600. Desse modo, centrais sindicais marcaram para a próxima quarta-feira, “#600 pelo Brasil, bom para o cidadão, para a economia e para o Brasil”. Além disso, o movimento quer levar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a colocar em votação a medida provisória que reduziu o valor para R$ 300 até o fim do ano.

É provável que você também vá gostar:

Dafiti lança cartão de crédito sem anuidade com promoções exclusivas, frete grátis e cashback.

Aplicativo do Banco Original é campeão pelo segundo ano consecutivo

Caixa Elo oferece dinheiro de volta nas compras pelo cartão na Semana do Brasil.

Preço alto do arroz e outros alimentos pode manter auxílio emergencial em R$ 600

Segundo João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, vários prefeitos e candidatos a prefeituras pelo país aderiram ao movimento. Onze centrais espalhadas sindicais espalhadas pelo Brasil lançaram manifesto rejeitando a diminuição do auxílio emergencial.

Entretanto, o presidente Jair Bolsonaro disse, em live nas suas redes sociais, ontem (10), que nada vai mudar. “A gente lamenta, eram três meses, nós prorrogamos para mais dois, cinco meses, e agora acabou. Criamos um outro auxílio emergencial, não mais de R$ 600, mas de R$ 300. Não é porque quero pagar menos, não. É porque o Brasil não tem como se endividar mais”, afirmou ele.

Políticos apoiam a manutenção dos R$ 600

Além das entidades sindicais, o senador Rogério Carvalho (PT-SE) apresentou um projeto de lei que garante o auxílio emergencial de R$ 600 para profissionais de cultura. A MP já recebeu 264 emendas. O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), é autor de uma das emendas que defende a continuidade dos R$ 600 até 31 de dezembro. O deputado alega que o benefício representou quase a totalidade da renda dos 10% mais pobres do país e que a alta no preço dos alimentos é motivo para manter o valor do auxílio em R$ 600. “O estado brasileiro tira dos pobres e dá para os ricos”, disse.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Adao/Shutterstock.

Sobre o Autor

Luiz Felipe Kessler

Cofundador

Entusiasta de fintechs e tudo o que a tecnologia proporciona de facilidades em nossas vidas. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. CoFundador do site Seu Crédito Digital.

Ver todos os artigos