Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Saiba quem é a mulher que aplicou golpe milionário em dezenas de policias

Uma mulher é acusada de aplicar um golpe milionário em dezenas de policiais. Saiba mais informações sobre o caso!

Um caso envolvendo um golpe milionário aplicado em dezenas de policiais está gerando repercussão recentemente. Uma mulher foi acusada de enganar esses profissionais com promessas de investimentos lucrativos.

Trata-se, portanto, de Graziela Coutinho Barreto, de 41 anos. Ela é esposa de um escrivão aposentado e desviou uma quantia de R$ 3 milhões. Saiba mais detalhes do esquema fraudulento e os desdobramentos dessa situação para as vítimas e a justiça a seguir!

Como Graziela executava os golpes?

Mãos no teclado do laptop e um alerta na cor vermelha representando golpe.
Imagem: Pungu x / shutterstock.com

Utilizando de sua proximidade com as instituições de segurança, Graziela alegava ter facilidade em renegociar financiamentos e empréstimos consignados junto a instituições financeiras públicas e privadas. Através de promessas de redução de até 40% nas dívidas, ela enganava os servidores para que contratassem seus supostos serviços legais.

Para concretizar o golpe, Graziela montou um grupo no WhatsApp incluindo agentes de segurança aposentados e em atividade, todos em considerável endividamento. A suposta especialista em finanças então sugeriu que conhecia meios eficazes para diminuir o peso das dívidas por meio de direitos creditórios.

Assim, os servidores, sufocados pelos juros altíssimos, viam em Graziela uma esperança para suas angústias financeiras.

Qual era o esquema utilizado no golpe?

Na prática, o que ocorria era uma simulação de advocacia. Graziela e seus cúmplices fingiam negociar com os bancos enquanto induziam os oficiais a contrair mais empréstimos para custear as taxas que ela determinava.

A estelionatária e seus familiares direcionavam os valores, que deveriam ter sua utilização em negociações, para suas contas pessoais. Logo, não havia a prestação efetiva de qualquer serviço, resultando em um golpe.

Saiba mais sobre o impacto do plano

Dentre os casos mais extremos está o de uma policial que teve um dano financeiro de R$ 817 mil. Prometida uma redução substancial na dívida, a policial acabou pagando a Graziela e transferindo grandes somas de dinheiro. Infelizmente, as renegociações jamais ocorreram e as dívidas bancárias só cresceram.

O resultado foi um agravamento da situação financeira da servidora, que culminou em cobranças judiciais e enormes dificuldades econômicas. O desaparecimento de Graziela após os golpes apenas intensificou as tentativas de contato por parte dos servidores enganados, que finalmente perceberam ser vítimas de um elaborado esquema de fraude.

Veja também:

Clientes C6 Bank ganham benefício único; corre para aproveitar

Atualmente, a investigação segue em curso pela Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (Corf).

Imagem: Pungu x / shutterstock.com