Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

‘Em seis meses, o milagre ficará claro’, diz analista sobre CRI, CRA, LCI e LCA

Descubra as novas regras para emissão de títulos incentivados e saiba como lucrar com estas mudanças! Confira a melhor forma de lucrar

Em meio ao cenário de juros altos e renda variável em baixa que temos vivido, uma recente decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) causou alvoroço no mercado financeiro. As regras para a emissão de títulos incentivados, que incluem CRIs, CRAs, LCIs e LCAs, foram endurecidas, diminuindo as opções para os investidores.

Esses são típicos títulos que possuem boa rentabilidade e liquidez, além de serem isentos de Imposto de Renda, características que tornaram esses ativos muito populares entre os investidores.

Com a recente escalada da Selic, empresas passaram a emitir esses títulos de maneira mais intensa, atraindo ainda mais pessoas para esse tipo de investimento.

O que significa cada títulos?

No mercado financeiro, existem siglas que podem confundir um pouco, especialmente quando se trata de investimentos. Vamos esclarecer o que significam CRIs, CRAs, LCIs e LCAs:

CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários)

  • Representam dívidas do setor imobiliário, como aluguéis, compra e venda de imóveis, separadas do patrimônio da empresa que as emitiu.
  • Ao investir em um CRI, você compra parte desses direitos e recebe o retorno financeiro conforme as dívidas são pagas.
  • O risco é atrelado ao desempenho do empreendimento imobiliário e da empresa que emitiu o CRI.
  • Vantagens: Isenção de Imposto de Renda para pessoa física, potencial de alta rentabilidade.
  • Desvantagens: Risco maior que títulos de renda fixa tradicionais, menor liquidez.

CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio)

  • Similar aos CRIs, mas representam dívidas do setor agrícola, como financiamentos para safras, compra e venda de commodities.
  • Funcionam da mesma forma que os CRIs, com retorno proveniente dos pagamentos das dívidas.
  • O risco está ligado à performance do agronegócio e da empresa que emitiu o CRA.
  • Vantagens: Isenção de Imposto de Renda para pessoa física, alta rentabilidade potencial.
  • Desvantagens: Risco maior, menor liquidez.

LCIs (Letras de Crédito Imobiliário)

  • Títulos de renda fixa emitidos por bancos, com garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até R$ 250 mil por CPF e instituição financeira.
  • O dinheiro captado através das LCIs financia projetos imobiliários.
  • O investidor recebe um retorno pré-fixado ao final do prazo do investimento.
  • Vantagens: Baixo risco, garantia do FGC, isenção de Imposto de Renda para pessoa física.
  • Desvantagens: Rentabilidade geralmente inferior aos CRIs e CRAs, menor liquidez que títulos de renda variável.

LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio)

  • Semelhantes às LCIs, mas direcionam o capital para o setor agrícola.
  • Possuem garantia do FGC até R$ 250 mil por CPF e instituição financeira.
  • O investidor recebe um retorno pré-fixado ao final do prazo.
  • Vantagens: Baixo risco, garantia do FGC, isenção de Imposto de Renda para pessoa física.
  • Desvantagens: Rentabilidade inferior a CRIs e CRAs, menor liquidez que títulos de renda variável.

Escolhendo entre eles:

A escolha entre CRIs, CRAs, LCIs e LCAs depende do seu perfil de investidor e objetivos financeiros. Considere:

  • Risco: CRIs e CRAs oferecem maior potencial de retorno, mas também maior risco. LCIs e LCAs têm menor risco, mas menor rentabilidade.
  • Rentabilidade: CRIs e CRAs podem oferecer retornos maiores, mas não há garantia do capital investido. LCIs e LCAs têm retorno pré-fixado e garantia do FGC.
  • Liquidez: LCIs e LCAs costumam ser mais fáceis de negociar que CRIs e CRAs.
A imagem mostra um gráfico saindo do tablet na mão de um homem com terno.
Imagem: Reprodução/ Freepik

Por que as regras dos títulos foram alteradas?

O CMN decidiu ajustar as normas de emissão desses títulos para evitar que empresas “tangenciassem” as regras. Anteriormente, houve casos em que títulos incentivados foram emitidos por empresas que não estavam diretamente ligadas aos setores de agronegócio ou imobiliário, o que vai contra os requisitos do CMN para a liberação destes ativos.

Agora, a emissão de CRIs e CRAs por empresas não relacionadas aos setores do agronegócio ou imobiliário foi proibida. Já LCIs e LCAs tiveram seus prazos mínimos de vencimento aumentados, 9 meses para LCAs e 12 meses para LCIs.

Quais são as consequências dessas mudanças?

Segundo o estrategista-chefe da Empiricus Research, Felipe Miranda, a decisão do CMN tem o poder de corrigir uma distorção e colaborar para o equilíbrio do mercado de capitais brasileiro. Ele acredita que essa mudança vá provocar um fluxo de investimentos para outras classes de ativos, especialmente os de renda variável.

Onde investir agora?

Conforme Miranda, estes novos cenários podem ser vantajosos para quem deseja explorar outras possibilidades de investimento.

A Empiricus Research disponibiliza gratuitamente uma lista mensal com as 10 ações mais promissoras do mercado, sendo uma ótima oportunidade para aqueles que desejam se posicionar de maneira estratégica nesse momento.

Assim, com as devidas orientações, é possível se beneficiar de grandes mudanças no mercado e continuar lucrando. Mesmo com o cenário atual de incertezas e mudanças, podemos observar oportunidades para aqueles que estão preparados e atentos às tendências do mercado financeiro.

Conclui-se que as mudanças geradas pelo CMN não indicam necessariamente um cenário preocupante: pelo contrário, podem ser a porta para novos e lucrativos investimentos. Então, não se esqueça: fique atento às mudanças do mercado e continue acompanhando nossas dicas para estar sempre um passo à frente.

Imagem: solarseven / Shutterstock.com