Independente do motivo que levou você a ficar com o nome sujo, com restrições no SPC, Serasa ou SCPC, na maioria das vezes é difícil conseguir qualquer modalidade de crédito e financiamento no mercado. Isso ocorre porque as instituições, de um modo geral, não irão emprestar seu dinheiro havendo o risco de inadimplência. Para sair desta situação, a melhor forma, sem dúvidas, é elaborar um planejamento financeiro. E, uma boa maneira de poupar o seu dinheiro é realizando um consórcio! Entretanto, muitas pessoas tem essa dúvida: é possível entrar em um consórcio mesmo com o nome sujo? A seguir, saiba o que é e como funciona esta modalidade, e tire as suas dúvidas.

Leia também:

Promoção da Serasa é uma chance de limpar seu nome sem desembolsar

Nubank faz aniversário e envia cartões sem consulta ao SPC/Serasa? Será?

É possível aderir a um consórcio com nome sujo no SPC/Serasa?

Como funciona o consórcio

Em linhas gerais, pode-se dizer que o consórcio é realizado por uma corretora, a qual fica encarregada de “guardar” o seu dinheiro. Sendo assim, você escolhe pelo valor que deseja pagar, bem como o tempo em que será feito o “investimento”. Digamos que você optou por pagar 60 parcelas. Assim, durante 60 meses, você terá a chance de ser sorteado e contemplado com a carta total de crédito. Outra possibilidade é oferecer um lance livre, maior que todas as outras ofertas naquela assembleia.

Taxas de juros

Este, sem dúvidas, é um dos pontos mais importantes quando se deseja realizar um consórcio. Não existe taxa de juros. Contudo, é cobrada apenas uma taxa administrativa, que costuma ser em torno de 15% do valor total da carta de crédito – o que é muito pouco, se comparado aos financiamentos ou outras modalidades de crédito do mercado.

Há consulta de CPF?

Embora esta seja uma duvida muito frequente dentre os candidatos a clientes de consórcio, não existem impedimentos quando se está com o nome sujo. A princípio, você pode sim ingressar nesta modalidade, mas como é considerado inadimplente, pode ser um “risco” para o seu grupo. O grande problema é no momento da contratação, pois há muita burocracia envolvida quando for sorteado. Isso acontece porque a carta de crédito costuma ser entregue apenas quando aconteça a resolução dos débitos e a baixa da restrição. Contudo, se todas as parcelas forem devidamente pagas, você recebe o valor total da carta de crédito em dinheiro, cerca de 180 dias depois.

Há restrições na entrega da carta de crédito?

Não há como dizer se o consórcio terá tais restrições para o recebimento da carta de crédito ou não, pois isto pode variar entre as corretoras. O melhor a ser feito é tirar todas as dúvidas antes da contratação, e assim, decidir se esta é a melhor opção em seu caso! Entretanto, na maioria das vezes sim, é necessário estar com o nome limpo e com um bom score de crédito. Um exemplo é o consórcio da Caixa Econômica Federal, que considera até o Cadastro CONRES, que trata-se de uma restrição interna do Banco. Portanto, procure ler com bastante atenção o seu contrato para não ter nenhuma surpresa depois.

Gostou da notícia?

Então nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Acompanhe nossos artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao mundo das fintechs.