De acordo com Waldery Rodrigues, secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, aposentados e pensionistas podem ficar sem aumento por até 2 anos. Em entrevista ao portal G1, o secretário disse que a equipe econômica do governo federal quer desvincular benefícios previdenciários dos reajustes do salário mínimo. Sendo assim, aposentadorias e pensões podem ficar sem reajuste por dois anos. Veja mais detalhes sobre esse assunto no texto abaixo.

É provável que você também goste:

Descubra tudo que você pode fazer com a carteira digital BITZ, do Bradesco

Boletos atrasando? Saiba quais contas você tem direito à redução

BTG Pactual lança banco digital sem taxas e com cartão de crédito sem anuidade

Aposentados podem ficar sem aumento por 2 anos

Com o congelamento das aposentadorias e pensões, o governo pretende investir esse dinheiro no programa Renda Brasil, que deve substituir o Bolsa Família.

Conforme Wladery Rodrigues, “a desindexação que apoiamos diretamente é a dos benefícios previdenciários para quem ganha um salário mínimo e acima de um salário mínimo, não havendo uma regra simples e direta [de correção]. O benefício hoje sendo de R$ 1.300, no ano que vem, ao invés de ser corrigido pelo INPC, ele seria mantido em R$ 1.300. Não haveria redução, haveria manutenção”.

A ideia de deixar aposentados e pensionistas sem aumento por 2 anos ainda está em discussão nos ministérios da Cidadania e da Casa Civil; ou seja, é possível que esse congelamento não ocorra.

Por enquanto, os reajustes de pensões e aposentadorias ocorrem conforme o reajuste do salário mínimo, ou seja, todo ano. Além disso, o valor do reajuste não pode estar abaixo da inflação do ano anterior. No entanto, as aposentadorias de maior valor seguem outra regra.

Se a proposta seguir adiante e for aprovada, todas as aposentadorias deverão ser congeladas no valor atual.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o FacebookTwitter Instagram. Assim você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos etc.

Imagem: Matej Kastelic / Shutterstock

Sobre o Autor

Jadre Marques Duarte Junior

Redator-chefe

Graduado em Administração de Empresas pela UFRGS. Apaixonado por marketing, comunicação e finanças, possuo mais de 8 anos de experiência na área de T.I. aplicada a serviços financeiros.

Ver todos os artigos