Logo após a criação e o crescente sucesso do Super App WeChat na China, várias empresas começam a se movimentar para também criar aplicativos que oferecem vários serviços no mesmo lugar. O WeChat disponibiliza para os seus usuários chat, pagamentos, transferências, compra de passagens aéreas, táxi, entre outros, e criou uma verdadeira revolução. Recentemente publicamos aqui no site Seu Crédito Digital que o Banco Inter contratou um ex-diretor do Facebook para implementar uma área de markeplace dentro do aplicativo. Este é o primeiro passo para que o banco digital torne-se um Super App brasileiro.

É provável que você também goste:

Banco Inter, C6 Bank ou NuConta do Nubank: qual é a melhor conta digital? (Comparativo)

Nubank vai lançar a opção de pagamento de qualquer boleto pelo cartão de crédito?

Banco Inter lança shopping virtual com dinheiro de volta em compras.

Banco Inter: vem aí um Super App, com compras no débito e crédito que devolvem dinheiro

Rodrigo Gouveia ocupava o cargo de Global Client Partner no Facebook para a América Latina. Ele será o responsável em criar um verdadeiro shopping dentro do aplicativo, oferecendo serviços que vão muito além de um banco digital.

Super App

Através do marketplace oferecido em um Super App, será possível realizar compras. Por exemplo, em lojas de departamentos, comprar eletroeletrônicos, drogarias e turismo, de acordo com a empresa. O Banco Inter ainda promete oferecer cashback de parte do valor das compras, mas não divulga os valores.

Será que o Brasil vai migrar totalmente para os pagamentos digitais?

A empresa Rappi é uma das mais próximas de criar um modelo de Super App. Através do seu aplicativo, já é possível pedir comida, utilizar um patinete elétrico da Grin, ou contratar serviços profissionais como uma manicure do Singu ou um profissional do GetNinjas.

Entretanto, existem algumas diferenças culturais do Brasil em relação a China. Portanto, isso pode ter acelerado a migração do dinheiro de papel para os pagamentos mobile. Os chineses não gostam de cartões de crédito. Simplesmente, pelo fato de a tradição cultural chinesa estimular a economia, e não o empréstimo. Usar um cartão de crédito é como utilizar pequenos empréstimos, e dessa forma as pessoas não gostam muito.

Uso do cartão de crédito no Brasil

No Brasil, de acordo com dados divulgados pela Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), em março deste ano, o uso de cartões cresceu 14,5% e atingiu R$ 1,55 trilhão em compras em 2018. Cartões de crédito lideram, com R$ 965,5 bilhões em compras, seguido por cartões de débito com R$ 578,1 bilhões e de cartões pré-pagos, com o correspondente a R$ R$ 11 bilhões em transações.

Desbancarizados no Brasil

O Brasil possui 45 milhões de desbancarizados, sendo a maioria das classes C, D e E, de acordo com levantamento do Instituto Locomotiva, especializado em economia popular. Portanto, será um desafio atingir este público desbancarizado e oferecer serviços bancários que atualmente os deixam marginalizados para uma eventual migração para pagamentos digitais. Fintechs como Nubank, e bancos digitais como Banco Inter tem envidado esforços. Entretanto, vai demorar ainda um bom tempo para que aconteça uma verdadeira revolução como na China, através de um Super App.

E você, o que acha disso? Deixe seu comentário logo abaixo.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.

Via Infomoney, Inteligência Corporativa, UOL, Instituto Locomotiva,