A Caixa Econômica Federal anunciou que reduziu os juros em até 23% e a paralisação por dois meses na cobrança de dívidas. O objetivo é reduzir os impactos causado pelo avanço do coronavírus no país. A redução dos juros e suspensão no pagamento de empréstimo servirá para dar um maior suporte às empresas e pessoas físicas.

É provável que você também goste:

Netflix liberou acesso grátis durante isolamento pelo coronavírus em site no WhatsApp?

INSS determina que serviços e pedidos devem ser feitos apenas por meio digital.

Quarentena? Caixa libera novos saques do FGTS e você pode fazer pelo App.

Caixa reduz juros em até 23% e paralisa cobrança de dívidas de clientes

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que o foco da instituição financeira é ajudar pessoas de baixa renda neste momento de crise. Ele ainda prometeu que mais medidas serão tomadas com esse intuito.

A partir de segunda-feira (23), o benefício começará a valer. As dívidas que entrarão na medida são o consignado, empréstimos pessoais, capital de giro e renegociações.

Pessoas físicas

Quem quiser fazer novos empréstimos, contarão, portanto, com taxas menores e uma carência de seis meses. Além disso, inicialmente, serão concedido 60 dias nas operações parceladas de crédito pessoal, mas ainda se necessário, passará para 90 dias.

O consignado, que tem o foco em aposentados e pensionistas do INSS também teve uma ampliação e redução de taxas. No crédito consignado, por exemplo, a menor taxa passa a ser de 0,99% ao mês. E os empréstimos pessoais, 2,17% ao mês.

Além disso, dentre as medidas anunciadas, está a oferta gratuita do cartão virtual de débito da Caixa para os mais de 100 milhões de correntistas e poupadores.

Também foi anunciado a renovação do contrato de penhor diretamente no site da Caixa e canal Telesserviço, o que tira a necessidade do cliente comparecer à uma agência bancária.

Empresas

Além da postergação de créditos vigentes, as empresas também terão uma redução maior nos juros em novos contratos.

Ou seja, para micro e pequenas empresas, a redução de juros será de até 45% para capital de giro, com taxas a partir de 0,57% ao mês.

Além disso, será disponibilizado carência de até 60 dias nas operações parceladas de capital de giro e renegociação.

Já as empresas que atuam no comércio e prestação de serviços, contarão com seis meses de carência em linhas especiais de crédito, pois elas serão as mais afetadas com o isolamento da população.

As empresas que trabalham com aquisição de máquinas e equipamentos, terão taxas reduzidas e até 60 meses para pagamento.

Por fim, é importante destacar que tanto pessoas físicas como as jurídicas, poderão solicitar pausa ampliada em até duas prestações de seus contratos habitacionais ou financiamentos imobiliários.

Hospitais

R$ 3 bilhões dos R$ 78 bilhões a mais disponibilizados para novos empréstimos serão destinados a linha de crédito para hospitais e Santas Casas que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O dinheiro deverá ser utilizado para pagamento de dívidas pendentes e compra de novos recursos, o que possibilitará a prestação de um melhor atendimento a casos de pacientes infectados pelo vírus.

Para prazos de até 60 meses, houve uma redução dos juros em 14%, passando para 0,80% ao mês. Para períodos de até 120 meses, no entanto, os juros passaram para 0,87%, havendo redução em 23%.

Enfim, gostou da matéria sobre a paralisação de cobrança de dívidas e a redução dos juros?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: windwalk/shutterstock.