Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Combustível verde, preços salgados: passagens aéreas podem encarecer com foco na sustentabilidade

A descarbonização na aviação enfrenta desafios. Custo do combustível sustentável pode aumentar passagens aéreas. Saiba mais!

A indústria da aviação enfrenta um desafio significativo com o processo de descarbonização, e o combustível é um dos principais fatores envolvidos.

Segundo Willie Walsh, diretor-geral da Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata), essa transformação, impulsionada principalmente pelo uso do combustível sustentável de aviação (SAF), mais caro que os combustíveis convencionais, deverá levar a um aumento nos preços das passagens aéreas.

As margens de lucro já restritas no setor inviabilizam a absorção total dos custos adicionais sem repasse ao consumidor. Walsh reconhece que “Aumentar os preços das passagens não é algo que queremos fazer, mas precisamos ser honestos: os valores devem, sim, subir.”.

Qual é o verdadeiro custo do combustível sustentável de aviação?

Imagem de um avião no céu
Imagem: Joshua Sukoff / Unsplash

O combustível sustentável, principal aposta para a redução de emissões de carbono no setor, pode custar entre duas a cinco vezes mais do que o combustível tradicional. Essa disparidade se deve, em parte, à baixa produção do SAF.

Atualmente, não é possível determinar com precisão o custo definitivo do SAF devido à sua produção em escala ainda limitada.

Os desafios da descarbonização no setor aéreo

A margem de lucro projetada pela Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata) para 2024 é de apenas 3,1%. Para ilustrar os desafios, o maior lucro já registrado pelo setor foi de 5%, um valor modesto para os padrões de muitas indústrias.

O combustível, mesmo que menos custoso que o SAF, representa cerca de 31% das despesas operacionais do setor, demonstrando o peso significativo que o custo de energia tem nas operações aéreas.

Como a indústria está lidando com essa transição?

De acordo com Tim Clark, presidente da Emirates, a jornada para a descarbonização na aviação apenas começou. Ele mencionou que, embora possa haver uma absorção parcial dos custos mais elevados do SAF, isso não será suficiente.

Outros fatores, como o comportamento do mercado de combustíveis fósseis, também influenciarão essa dinâmica. O atraso na renovação de frotas devido a problemas na cadeia de suprimentos também é um obstáculo mencionado por Walsh.

Veja também:

Atestmed gera prejuízos para o INSS; entenda

Esse desafio não apenas eleva os custos operacionais como também retarda os avanços necessários em direção a uma operação menos poluente. O cenário é confirmado por ambos os executivos, que enfatizam a demanda crescente por um crescimento que possa equilibrar custos e sustentabilidade.

Imagem: Joshua Sukoff / Unsplash