Você está tentando obter um cartão de crédito e não consegue ser aprovado? Já tentou um cartão do Nubank ou do Banco Inter e nada? Pois é, você pode estar negativado no Banco Central, e os bancos podem estar consultando essa lista. Popularmente conhecida como a lista negra dos bancos ou SCR – Sistema de Informação de Crédito pode ser consultado por você mesmo no Registrato do Banco Central. Veja como consultar.

Leia também:

Como sair da lista negra dos bancos e voltar a ter crédito novamente?

Crédito negado? Como consultar seu nome na lista negra dos bancos ou SCR

O SCR ou lista negra dos bancos pode ser consultado por qualquer pessoa física e também por pessoas jurídicas quando você autoriza o acesso. Ou seja, sempre que você solicitar crédito ao mercado, como a abertura de uma conta corrente ou um cartão de crédito, você deve ter percebido que as instituições costumam solicitar autorização para consultar o SCR. Ademais, se você não notou isso, é porque deve constar nas letras miúdas do contrato.

Pois é, o acesso ao SCR somente pode ser feito com autorização expressa do consumidor. As instituições tem acesso aos registros dos últimos 24 meses, desde que foi recentemente feita a alteração do prazo pelo Banco Central. Principalmente para possibilitar uma melhor avaliação de risco envolvido nas operações, consequentemente reduzindo a inadimplência, e ao mesmo a taxa de juros.

O SCR contém informações financeiras sigilosas dos consumidores. No cadastro é possível verificar todas as concessões de crédito, empréstimos, financiamentos, uso de cartões de crédito, entre outras. Os bancos são obirgados pelo Banco Central a publicarem estes valores no SCR para proteção do sistema financeiro nacional.

Portanto, todas as empresas que consultarem este banco de dados terão informações consistentes sobre o seu histórico de crédito, bem como se causou prejuízo às instituições financeiras em todas as suas operações de crédito dos últimos dois anos.

O SCR pode ser consultado por você mesmo. Primeiramente, existem 3 maneiras de consultar este banco de dados do Banco Central. A maneira mais fácil de todas é através do certificado Digital A3. Todavia, vamos falar aqui neste post através do seu internet banking, pois nem todo mundo possui um certificado digital. Portanto, confira as 3 maneiras logo a seguir:

  • Internet Banking
  • Certificado Digital A3
  • Presencialmente no Banco Central, ou através de carta registrada

Para consultar o SCR com o internet banking do seu banco é bem simples. Siga os passos a seguir.

Passo 01

Primeiramente, entre neste site e clique em ‘Obter frase de segurança’. Você precisa colocar o seu CPF, data de nascimento, o nome da sua mãe (ou outras informações que variam), e o nome da instituição financeira onde você vai validar a frase de segurança.

Passo 02

Depois disso, acesse seu internet banking e procure pelo campo para validar a sua frase de segurança que foi gerada na tela anterior.

Passo 03

Clique em ‘Cadastrar’ e digite todos os dados solicitados como na imagem logo abaixo e clique em confirmar. Feito isso, você tem acesso ao sistema SCR.

Passo 04

Por fim, entre neste link e faça seu login.

Passo 05

Clique em ‘SCR – Sistema de Informações de Crédito’.

Passo 06

Por fim, habilite todas as caixas de seleção e escolha o período a ser consultado conforme a imagem logo abaixo. Por fim, clique em ‘Gerar relatório’. Será gerado um relatório em PDF que você pode fazer o download para o seu computador.

Considerações finais

O ideal é consultar os últimos 24 meses, que corresponde exatamente ao período que os bancos tem acesso na consulta. Caso você verifique situações em que ocorreu o evento prejuízo a determinada instituição, o ideal é que você entre em contato diretamente com o credor, para saldar a sua dívida, e finalmente ficar com o CPF limpo no Banco Central.

Gostou da notícia?

Então siga nossas redes sociais FacebookTwitter Instagram para continuar acompanhando todos os artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao mundo das Fintechs.