Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Conheça dez ações de grandes empresas que se desvalorizaram durante a pandemia de COVID-19

0

Os meses de março e abril certamente ficaram marcados como caóticos devido à COVID-19 para a economia. Bolsas mundiais acumulam queda, gerando prejuízos aos investidores, e algumas ações sofreram muito com o coronavírus.

É provável que você também goste:

Calendário da 2ª parcela do Auxílio Emergencial deve se estender por mais de uma semana

Contrato com moratória na Caixa, o que isso significa?

C6 Bank anuncia dois novos fundos de investimento em sua plataforma

A Ibovespa, por exemplo, fechou março com a maior queda mensal desde 1988 com o coronavírus. Em abril, a bolsa subiu apenas 10%, não sendo capaz de reverter as perdas do ano. Mas você sabe quais ações mais caíram em meio a esta grande crise, que tem o coronavírus como um dos motivos?

Listamos a seguir dez ações que sofreram grande desvalorização em meio à pandemia de COVID-19. Confira:

IRBR3 – IRB BRASIL

Por enquanto, essa foi a maior queda de 2020 da Ibovespa, com variação de queda de 69,37% no ano. Com isto, a resseguradora anunciou também a renúncia do conselho administrativo, inclusive dos suplentes ao cargo.

AMAR3 – LOJAS MARISA

Voltada ao comércio varejista de roupas e acessórios, a rede Lojas Marisa também viu suas ações saírem desvalorizadas em meio à pandemia do coronavírus no Brasil. No ano, a queda é de 66,47%.

MEAL3 – IMC

Nos últimos trinta dias, a empresa teve uma queda de 64,87% na Ibovespa. A ação envolve o ramo alimentício.

MDNE3 – MOURA DUBEX

Atuando no ramo da construção civil e incorporações, a Moura Dubex viu suas ações terem queda de 63% na bolsa de valores. O ramo da construção civil sem dúvida foi muito afetado pelas obras paradas durante a pandemia da COVID-19.

SMLS3 – SMILES

O segmento de milhas aéreas está sendo, certamente, um dos mais afetados pela crise causada pelo coronavírus. Assim, as ações da Smiles, programa de milhas da Gol e empresas parceiras, teve uma queda que corresponde a 62,32% na bolsa de valores brasileira.

VVAR3 – VIA VAREJO

Embora tenha registrado uma queda brusca em março e abril, a VVAR3, ação da Via Varejo está conseguindo se recuperar na bolsa de valores nos últimos dias. Este início de retomada se dá principalmente graças às vendas online das empresas que integram o grupo.

LLIS3 – LE LIS BLANC

A rede de lojas de vestuário Le Lis Blanc foi mais uma das afetadas pela crise que atinge o país. As ações da empresa na Ibovespa tiveram uma queda de 61%.

AZUL4 – AZUL

A empresa aérea Azul foi uma das mais atingidas do segmento no país. Com uma queda de 60% nas ações da Ibovespa, a empresa aérea segue ainda com os voos parados devido ao coronavírus.

COGN3 – COGNA

A Cogna é uma das maiores companhias atuantes no segmento de educação no mundo. Contudo, suas ações seguem em queda desde o começo do ano. Com a pandemia da COVID-19, as ações da empresa tiveram uma queda de 60,36% na Ibovespa.

GUAR3 – GUARARAPES

Por fim, temos a Guararapes, cuja queda das ações na Ibovespa nos últimos trinta dias foi de 60,33%. A empresa atende o segmento de confecções de roupas e tecidos em geral.

Vale ressaltar que muitas destas empresas provavelmente terão suas ações em alta em algum momento no futuro. Sendo assim, vale ficar de olho sobre a possibilidade de investir. Afinal, se você comprar as ações quando a empresa está em baixa e ela conseguir se recuperar no futuro, você pode vender suas ações e lucrar um bom dinheiro.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o Facebook, Twitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem destacada: CROCOTHERY, via Shutterstock.

Comentários
Carregando...