Hoje foi um dia marcado pela intervenção do Banco Central no câmbio. Graças à intervenção, o dólar comercial encerrou em leve queda de 0,38%, cotado a R$ 4,3339, após bater um recorde histórico de R$ 4,3830 na abertura dos negócios.

É provável que você também goste:

Qual pontuação de score é boa para conseguir crédito na praça?

Carrefour está oferecendo cartão para negativados pelo WhatsApp?

As 5 franquias mais baratas, com valor inicial de investimento até R$ 5.000

Dólar abre em alta, mas tem leve queda com atuação do Banco Central

Tanto aqui no Brasil quanto lá fora, a moeda norte-americana foi pressionada pelo aumento no número de mortos e infectados pelo coronavírus. Isso foi uma consequência de uma mudança na metodologia.

Agora, são aceitos relatórios clínicos dos sintomas para enquadrar o paciente como caso suspeito. Além disso, a análise dos médicos está contando com o apoio de exames de imagem, como radiografia e tomografia. Com isso, os resultados ficam prontos mais rapidamente. O resultado foi que, com a alteração, Hubei, província epicentro do surto, registrou 242 novas mortes somente na quarta-feira (12). A região registrou 14.840 casos no último dia, sendo que 13.332 foram diagnosticados de forma clínica.

Apesar da intervenção mais cedo, que pode aumentar a desconfiança dos investidores estrangeiros com o Brasil, o risco-país continua estável. Ele está perto dos menores patamares em nove anos. Nesta tarde, o spread do contrato de Credit Default Swap (CDS) de 5 anos operava em 96 pontos, segundo dados compilados pela Markit.

O presidente Jair Bolsonaro não quis comentar a declaração polêmica de Paulo Guedes, de que o dólar mais baixo permitia a empregadas irem à Disney (confira aqui), mas disse: ‘Eu, como cidadão, acho que está um pouquinho alto o dólar’.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: S_Photo via shutterstock

Sobre o Autor

Eduardo Mendes

Cofundador

Sou um entusiasta da tecnologia, que também aprecia inovação, empreendedorismo, além de Fintechs e as suas facilidades. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. CoFundador do site Seu Crédito Digital.

Ver todos os artigos