Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Prepare o bolso: governo empresta dinheiro ao setor elétrico, mas você pagará a conta

0

O governo federal publicou na última segunda-feira (18), em uma edição extra do Diário Oficial da União, um decreto para estabelecer as regras de empréstimo para distribuidoras de energia elétrica. Essa medida passa para o consumidor o aumento da cobrança de luz a partir de 2021. Uma iniciativa semelhante havia sido adotada anteriormente pelo governo da ex-presidente Dilma Roussef.

É provável que você também goste:

Auxílio emergencial: é possível receber a segunda parcela no Nubank ou Banco Inter?

Beneficiário do Bolsa Família com NIS final 2 já pode sacar 2ª parcela dos R$ 600

Como ganhar grana extra na quarentena com plataformas online

Prepare o bolso: governo empresta dinheiro ao setor elétrico e teremos tarifa adicional por 60 meses

Primeiramente, cabe ressaltar que o decreto não estipula o valor do empréstimo, que deverá ser fixado pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel, e não deve ultrapassar o montante de R$ 14 bilhões.

O objetivo do socorro é poder cobrir o rombo financeiro no setor elétrico. Gerado principalmente pela queda no consumo de energia e pelo aumento da inadimplência. Ambos, reflexos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. O empréstimo também vai cobrir o adiamento até 30 de junho do aumento de tarifas de algumas distribuidoras.

Dessa forma, a partir de 2021, os consumidores vão passar a pagar o empréstimo por meio da cobrança de uma tarifa adicional nas contas de luz. O valor será parcelado em 60 meses, ou seja, a quitação deve ocorrer apenas em 2025.

Enfim, como cada distribuidora receberá uma parcela diferente do empréstimo, o valor a ser pago por consumidores atendidos por uma distribuidora será diferente do que vai ser pago pelos clientes de outra.

Como vai funcionar o decreto?

O decreto prevê que os valores das operações irão compor a Conta-Covid, gerida pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Estes recursos vão cobrir principalmente o custo da sobrecontratação de energia, em virtude da queda da demanda, o adiamento de reajuste até 30 de junho, e especialmente a postergação de pagamentos dos consumidores durante o confinamento em detrimento do novo coronavírus.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Sergio Yoneda via shutterstock

Comentários
Carregando...