Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Grande banco propõe fim do valor mínimo de R$ 600 do Bolsa Família

Uma grande instituição internacional elaborou um redesenho do modelo atual do Bolsa Família. Saiba mais informações!

Uma nota técnica desenvolvida por um importante banco internacional propõe um novo modelo para o principal programa social do país, o Bolsa Família. Logo, isso passaria pela extinção do valor mínimo de R$ 600, oferecido aos beneficiários atualmente.

O Banco Mundial é o responsável pela nota técnica em questão, obtida de forma antecipada pela Folha de São Paulo. Saiba mais sobre a proposta dessa instituição financeira sobre o programa social a seguir.

Banco Mundial propõe mudanças ao Bolsa Família

Mãos segurando celular que mostra a logo do Bolsa Família
Imagem: rafapress / shutterstock.com

As simulações desenvolvidas pelos especialistas do banco internacional redesenham o programa da seguinte forma: por membro da família, paga-se R$ 150. Caso haja crianças ou jovens de até 18 anos, paga-se mais R$ 150.

De acordo com o Banco Mundial, essa seria a forma mais equitativa de distribuição de renda. Logo, ao longo dos anos, o custo do Governo Federal com o Bolsa Família diminuiria. Com isso, os especialistas propõem o fim do valor mínimo de R$ 600.

Como acabar com esse valor pode gerar embaraços políticos em relação ao governo, o banco prevê uma fase de transição, para que as famílias não percam seus benefícios de forma repentina. O tema já passa por discussões no Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, responsável pelo Bolsa Família.

Veja também:

Prévia da inflação registra aumento de 0,35% em setembro; veja os principais impactos

Como é o desenho atual do programa social?

Atualmente, cada membro da família recebe R$ 142. Logo, se a soma não atingir o valor mínimo, usa-se o Benefício Complementar para atingir os R$ 600. Ainda, se a composição familiar tiver crianças de 0 a 6 anos, paga-se o Benefício Primeira Infância, no valor de R$ 150.

Por fim, a presença de gestantes, crianças e adolescentes no núcleo familiar garante um adicional de R$ 50 através do Benefício Variável Familiar. Desse modo, a proposta do Banco Mundial visa remodelar a forma de repasse desses valores aos beneficiários.

Imagem: rafapress / shutterstock.com