Um assunto tem dado o que falar nas últimas horas. A região de Molise, que localiza-se no sul da Itália está oferecendo 700 euros por mês, o equivalente a pouco mais de R$ 3,1 mil para quem se mudar para cidades com menos de dois mil habitantes. Em contrapartida, é necessário se comprometer em abrir um negócio. O valor é pago ao longo de três anos, de acordo com matéria publicada no The Guardian. Conheça mais detalhes sobre essa proposta inusitada para milhões de brasileiros que gostariam de morar no exterior.

É provável que você também goste:

Banco Inter além de ser 100% gratuito ainda devolve dinheiro nas compras e nos investimentos.

Atenção: últimos dias do Crédito na Hora da Caixa, sem consulta ao SPC e Serasa.

Itália oferece mais de 3 mil reais por mês para morar em cidades de Molise

O principal objetivo é reestruturar o local, que sofreu consideravelmente com a perda de moradores nos últimos anos.

“Se tivéssemos oferecido financiamento, teria sido mais um gesto de caridade”, disse Donato Toma, presidente de Molise.

As pessoas podem abrir qualquer tipo de atividade, como uma padaria, restaurante, qualquer coisa. Foi uma solução encontrada para povoar e dar vida às cidades, diz Donato.

Além disso, ele também pondera que “não se trata apenas de aumentar a população”. De acordo com o governante, as pessoas precisam de infraestrutura e um motivo para ficar. Dessa forma, cada cidade com menos de dois mil habitantes receberá dez mil euros (R$ 44,8 mil) destinados a infraestrutura e promoção de atividades culturais.

Proposta deve ser publicada

A proposta por parte das autoridades regionais deverá ser publicada no dia 16 de setembro no diário oficial e foi autorizada pelo Ministério de Desenvolvimento Econômico, informou a mídia local. Depois disso, os interessados na proposta poderão enviar suas solicitações ao Conselho Regional pelo período de 60 dias.

Quem promoveu a ideia foi o conselheiro Antonio Tedeschi, membro do Conselho Regional, que pretende repovoar as cem aldeias da região que estão sendo esvaziadas, e ao mesmo tempo, revitalizar a economia e criar emprego. A medida foi batizada de ‘renda ativa de residência’ e o valor total alocado e autorizado pelo governo italiano chega a um milhão de euros.

Tedeschi disse em redes sociais que “a iniciativa nasceu para deter o triste fenômeno da despovoação” e acredita que seja “um primeiro passo até a revitalização” da região.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística da Itália (Istat), Molise, com uma população de 305 mil habitantes, está entre as regiões que perderam mais moradores nos últimos anos – mais de nove mil já saíram desde 2014. Em 2014 e 2018, o número de cidadãos italianos residentes no país caiu em 677 mil.

Avalanche de ligações de brasileiros interessados em morar na Itália

Antonio Tedeschi

Conselheiro regional de Molise, Antonio Tedeschi diz que brasileiros e americanos são os mais interessados até o momento. E somente nas últimas 24 horas recebeu mais de 1.000 ligações.

“Os brasileiros são muito bem-vindos”, acrescenta Tedeschi, que exerce um cargo equivalente ao de um deputado estadual no Brasil. Ele foi o idealizador da iniciativa “Reddito di residenza attiva” (Remuneração de residência ativa) proposta pela região de Molise.

O italiano explica o que é necessário para disputar uma oportunidade no programa: “Não quero jogar um balde de água fria, principalmente nos brasileiros, mas para sonhar com uma vida tranquila por aqui é necessário ter passaporte europeu ou um visto de residência comunitário”.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube

, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Com informações do The Guardian e Revista Época