Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

O que é o Fundo Garantidor de Crédito (FGC)? Confira

Entenda como funciona o FGC e como ele protege seus depósitos em bancos brasileiros até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ.

Você já parou para pensar no que acontece com o seu dinheiro se o banco onde você investe quebrar? Pois é, existe uma proteção para isso, e é garantida pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Assim, esta entidade, crucial para a segurança do sistema financeiro nacional, desempenha um papel fundamental na proteção de investidores e correntistas.

Em síntese, o Fundo Garantidor de Crédito, criado em 1995, é uma instituição sem fins lucrativos que assegura certos tipos de depósitos e investimentos em caso de falências ou insolvências bancárias. Assim, é uma ferramenta essencial para manter a confiança no sistema financeiro brasileiro, promovendo a estabilidade e ajudando na liquidez de ativos financeiros.

O que o FGC cobre

Portanto, o FGC garante a segurança de vários tipos de depósitos bancários e investimentos em renda fixa. Dentre eles estão a caderneta de poupança, as contas correntes, a conta salário e as operações de renda fixa tradicionais, como:

  • Certificados de Depósito Bancário (CDB);
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Letras financeiras do câmbio e hipotecárias.

No entanto, nem todos os tipos de investimentos estão sob a proteção do FGC. Investimentos como depósitos realizados fora do país, debêntures, fundos de investimento, certificados de operações estruturadas (COEs), ações e a previdência privada aberta (VGBL e PGBL) não estão cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito.

Imagem da escrita do FGC em preto e branco
Imagem: Banco Central / Reprodução

Valor máximo garantido pelo fundo

Assim, o FGC assegura valores de até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ, em cada instituição ou conglomerado financeiro. Contudo, é importante ressaltar que existe um teto de R$ 1 milhão acumulado a cada quatro anos por investidor, em caso de mais de uma instituição entrar em regime de insolvência.

Veja também:

Auxílio Moradia: saiba se tem direito e como solicitar

Além disso, a cobertura do FGC não se estende a títulos do Tesouro Direto, uma vez que já são garantidos pelo Tesouro Nacional. É uma curiosidade que muitos investidores desconhecem, mas é vital saber onde suas garantias se aplicam.

Imagem: Banco Central / Reprodução