Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Pix: sistema de pagamento é muito mais barato para lojistas do que cartões

0

Segundo artigo publicado pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS) na quarta-feira, dia 23 de março, o sistema de pagamentos instantâneos do Brasil, o Pix, é muito mais barato para os lojistas do Brasil, do que pagamentos com cartões.

O artigo ainda destaca o grande potencial de crescimento do Pix entre empresas, após ter um crescimento vertiginoso entre as pessoas físicas.

É provável que você também goste:

Pix ou cartão de crédito: qual é o melhor para parcelar?

Saque do FGTS de R$ 1 mil será liberado por Pix?

Um documento de autoria do Banco Central (BC) do Brasil feito para o BIS, afirma que o Pix possui um custo médio de 0,22% a cada transação realizada pelos lojistas, já o cartão de débito apresenta um custo de pouco mais de 1% e cartões de crédito chegam a custar 2,2% por transação efetuada.

O BIS e o BC deixam claro que a afirmação que o sistema de pagamentos instantâneos é muito melhor para os lojistas do que os cartões não representa necessariamente as suas opiniões. 

O artigo ainda acrescenta que o Pix também demonstra ser mais competitivo em comparação a taxa do cartão de crédito em outros países, sendo 1,7% nos Estados Unidos, 1,5% no Canadá e 0,3% na União Europeia.  

Sobre o Pix

O Pix foi lançado em novembro de 2020 e é gratuito para pessoas físicas, contudo, o Banco Central autorizou que as instituições de pagamentos e os bancos definam livremente os custos para as empresas no que diz respeito à transferências e recebimento de recursos.

Ainda segundo o documento do BIS, as operações de Pix entre pessoas físicas são predominantes no Brasil, entretanto, tiveram a participação reduzida para cerca de 75% nas transações de fevereiro de 2022, pois os pagamentos no Pix de pessoas físicas para empresas (P2B) têm crescido rapidamente.

“Um aumento adicional no uso P2B é esperado ao longo do tempo, já que novos serviços, como débito automático e pagamento de contas eletrônicas, estão programados para serem lançados em um futuro próximo”, destacou o documento.

Empresas, como a Cielo administrada pelo Banco do Brasil e Bradesco e a Rede do Itaú, além do PagSeguro, Stone e GetNet do Santander, podem ser prejudicadas pelo crescente uso do Pix, já que suas receitas estão associadas ao uso de cartões em sua maquininha.

Ao menos 9,1 milhões de empresas já aderiram ao Pix, o que representa 60% das companhias que possuem ligação com o sistema financeiro nacional.

Em menos de um ano e meio de lançamento, o Pix já foi utilizado por 114 milhões de pessoas, o que corresponde a 67% da população adulta e movimentou R$ 6,7 bilhões, chegando ao nível dos cartões de débito e crédito.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Siga-nos no canal no YouTube e em nossas redes sociais, como o  Facebook, Twitter, Instagram, e Twitch. Assim, você acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: Alexandre Tavares Silva / Shutterstock.com

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar

Fechar