Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Quem herda as dívidas de um familiar falecido? Entenda as regras e planeje-se!

Entenda como as dívidas são gerenciadas após o falecimento e como preparar seu planejamento sucessório de forma eficaz.

Quando uma pessoa morre, uma das grandes preocupações para a família, além do luto, são as repercussões financeiras que isso pode acarretar. Assim, dúvidas sobre como as dívidas deixadas serão tratadas podem surgir.

“Devo pagar as dívidas do meu familiar falecido?” é uma questão comum entre os herdeiros. Especialistas financeiros e jurídicos esclarecem que o tratamento das dívidas pode variar de acordo com as condições estabelecidas em vida pelo devedor. Saiba mais!

Como funcionam as dívidas após o falecimento?

Mulher preocupada levando mão a cabeça enquanto observa dívidas na mesa
Imagem: Chaay_Tee / Shutterstock.com

Sempre surge a dúvida: após a morte de uma pessoa, o que acontece com suas dívidas? Segundo Simone Carvalho Santos, CDO do Grupo NanoCapital, ao contrário do que muitos pensam, as dívidas não ‘se apagam’.

Na verdade, elas podem, sim, transferir-se para os herdeiros, dentro das limitações dos bens deixados no espólio. “As dívidas entram no conjunto de obrigações e são quitadas com o patrimônio deixado pelo falecido, antes da distribuição dos bens aos herdeiros”, explica a especialista.

Seguros no contexto das dívidas

No cenário financeiro atual, muitos empréstimos e financiamentos vêm acompanhados de seguros que cobrem eventos de morte ou invalidez.

Isso significa que, em muitos casos, as dívidas são automaticamente saldadas pelo seguro, sem que haja a necessidade de acionamento do patrimônio pessoal ou da família.

No entanto, Marcos Milan, professor da FIA Business School, alerta: “Nem todos os financiamentos contam com a cobertura de seguros, sendo essencial a verificação dos contratos”.

Como se preparar para evitar surpresas desagradáveis?

“Planejar” é a palavra-chave quando o objetivo é proteger sua família de surpresas desagradáveis após o seu falecimento. A preparação de um planejamento sucessório detalhado é vital.

“Essa preparação não apenas assegura a vontade do falecido com relação à distribuição dos seus bens, mas também protege os herdeiros de dívidas desproporcionais que possam comprometer a herança”, ressalta Milan. Passos para um bom planejamento financeiro:

  • Conheça detalhadamente seu patrimônio e suas dívidas;
  • Considere a contratação de seguros para cobrir eventuais dívidas em caso de imprevistos;
  • Organize documentos e contratos em um local acessível para facilitar o processo de inventário;
  • Discuta abertamente sobre estes planos com a família para evitar conflitos futuros.

Importância do planejamento antecipado sobre as dívidas

Apesar de ser um tema delicado, é crucial discutir e planejar com antecedência o futuro financeiro após seu falecimento. Medidas simples garantem que seu legado passe para a frente conforme suas últimas vontades, sem impor um fardo financeiro a seus entes queridos.

Veja também:
FGV aponta que confiança no comércio atinge 95,5 pontos em abril

Por isso, consulte um advogado especialista em direito sucessório ou um consultor financeiro para planejar adequadamente seu patrimônio e suas dívidas. Com informações e planejamento corretos, é possível garantir uma transição suave do patrimônio e minimizar o impacto financeiro sobre os familiares. Planeje-se hoje para proteger sua família amanhã.

Imagem: Chaay_Tee/ Shutterstock.com