Em uma sessão bastante tumultuada, o governo conseguiu vencer a primeira etapa da tramitação da Reforma da Previdência. Assim, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) o relatório do deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), que era favorável à proposta. O texto foi aprovado com um total de 48 votos a favor e 18 contra, de um total de 66. Contudo, tudo indica que o governo enfrentará dificuldades para conseguir passar pela próxima fase, que consiste a discussão do mérito do projeto.

É provável que você também goste:

Banco Inter promete devolver metade das taxas de aplicações de fundos.

Fintech Creditoo faz empréstimo consignado privado sem consulta ao SPC e Serasa.

Olé Consignado e Crefisa devem retirar restrição de cliente no SISBACEN.

Reforma da Previdência é aprovada na CCJ, e agora o que acontece?

Ao todo, foram alterados 4 pontos do texto original. Foram retirados do texto:

  • O fim do pagamento de multa do FGTS para aposentados;
  • A possibilidade de alteração por projeto de lei da idade máxima da aposentadoria compulsória, o que poderia afetar indicações para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF);
  • A exclusividade da Justiça Federal do Distrito Federal para julgar processos contra a reforma;
  • O dispositivo que garante somente ao Executivo a possibilidade de propor mudanças na Previdência.

Contudo, grande parte da proposta continua. O governo pretende economizar com a mudança no regime de aposentadorias, cerca de R$ 1 trilhão em dez anos.

Os próximos passos da Reforma da Previdência

Logo após a aprovação na CCJ na Câmara dos Deputados, teremos a criação de uma comissão especial para analisar o mérito da matéria. Cabe ressaltar que ela ainda poderá sofrer alterações. Joice Hasselmann informou que foi fechado um acordo com os líderes dos partidos para acelerar a instalação dessa comissão nesta quarta-feira (24).

Ademais, a intenção é começar uma campanha massiva nos meios de comunicação para explicar e convencer a população quanto a importância da reforma. As peças serão veiculadas logo que a comissão especial estiver em pleno funcionamento.

Por outro lado, a equipe econômica já se movimenta para definir o relator da reforma da comissão especial. Há uma tendência que seja o PSDB. Os nomes dos deputados tucanos Eduardo Cury (SP) e Paulo Abi-Ackel (MG) são os mais citados neste momento.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter, Instagram. Assim, acompanhe nossas notícias sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.

Com informações de O Globo
Imagem: Câmara