O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (23) que o governo levará para frente a ideia de unificar vários programas sociais, como uma forma de diminuir os efeitos da crise causada pela pandemia. Assim, a expectativa é que em breve será realizado o lançamento do Renda Brasil. Apesar disso, o ministro não deu mais detalhes a respeito do Renda Brasil. Assim, o anuncio serviu mais como um aceno à substituição do Bolsa Família, o principal programa social hoje no país.

A notícia da criação do Renda Brasil chega em um cenário de crise econômica grave, causada pela pandemia do novo coronavírus, que teve como efeito deixar milhares de brasileiros em situação ainda mais vulnerável. Portanto, a proposta do governo é buscar soluções que tragam uma melhoria no cenário das políticas sociais no país. Além disso, o secretário do Tesouro chegou a dizer que o abono salarial deveria ser transformado em complemento para o Bolsa Família.

É provável que você também goste:

Substituto do Bolsa Família: Qual será o valor mensal para beneficiários do Renda Brasil?

Começa hoje (29) os depósitos do saque-imediato do FGTS. Saiba quando você recebe

INSS vai estender pagamento de um salário mínimo por 3 meses para auxílio e BPC

Guedes fala sobre extensão do Auxílio Emergencial

Em reunião do conselho do governo, realizada pelo presidente Jair Bolsonaro e transmitida pela TV, o ministro Paulo Guedes afirmou que o governo está prevendo uma nova fase de enfrentamento ao coronavírus. Com isso, se dará a extensão do Auxílio Emergencial por dois meses. Além disso, nesse mesmo período, o governo pretende organizar políticas que garantam um retorno seguro ao trabalho, com a adoção de todos os protocolos necessários. Deve-se somar a isso, é claro, também a substituição do Bolsa Família e unificação dos benefícios em um único programa, o Renda Brasil.

Entretanto, o ministro não mencionou qual seria o valor do auxílio estendido. Limitou-se, apenas, a dizer, que o valor atual, de R$ 600, corresponde “a um nível de emergência total”. Por fim, Guedes afirmou que, junto ao Renda Brasil, o governo também lançará o programa Verde e Amarelo. Dessa forma, buscará incentivar o ingresso no mercado de trabalho formal para um grande número de brasileiros. Segundo ele, “aprendemos também durante essa crise que há 38 milhões de brasileiros invisíveis e que também merecem serem incluídos no mercado de trabalho. Vamos lançar um programa Verde e Amarelo”.

Além do Renda Brasil, governo busca outras formas de conter a crise

Por fim, além da criação do Renda Brasil, o governo federal já tinha enviado ao Congresso uma Medida Provisória do contrato Verde e Amarelo, que citamos anteriormente. A medida previa a redução dos encargos trabalhistas pagos pelas empresas, visando dar incentivo para a contratação de jovens em seu primeiro emprego. Entretanto, o presidente Jair Bolsonaro acabou revogando a MP em abril, um dia antes de ela expirar sem ter sido aprovada pelo Congresso, sinalizando sua intenção de reeditá-la.

O ministro da Economia também pontuou nesta terça-feira (23) o fato de que o presidente do Banco Central deve anunciar nos próximos dias o aperfeiçoamento de vários programas de crédito. De acordo com Guedes, a Caixa Econômica Federal, o BNDES e o Banco do Brasil também estarão envolvidos no lançamento de novos programas. Assim, tanto a criação do Renda Brasil quanto as outras medidas têm o objetivo de conter o avanço da crise econômica e encontrar saídas para superar os efeitos pós-pandemia.

Enfim, gostou da matéria sobre o Renda Brasil?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: shutterstock