Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Rombo na Previdência Social desequilibra contas públicas

Segundo o IBGE, o déficit na Previdência Social está em R$ 248 bilhões, o que contribui para o desequilíbrio das contas públicas. Entenda!

Embora ainda haja previsão de déficit zero no Orçamento de 2024, o que significa equilíbrio nas contas públicas, igualando e receitas, o déficit na Previdência Social é um dos principais motivos de desequilíbrio das contas públicas, levando o governo a encerrar 2023 com um saldo negativo de R$ 141 bilhões.

Dessa forma, para cumprir a promessa de déficit zero em 2024, o governo deve cortar despesas e também aumentar a arrecadação. Assim, é sabido que será preciso que a equipe econômica corte pelo menos R$ 50 bilhões nos públicos nos primeiros meses de 2024. Veja mais detalhes!

Déficit da Previdência Social

Marcos Mendes, professor do Insper, afirmou ao Jornal Nacional, da TV Globo, que o governo aumentou muito os gastos para depois encontrar a receita para financiá-los. Porém, de com o professor, as autoridades não estão conseguindo encontrar a fórmula correta e é necessário parar de aumentar as despesas.

Além disso, embora o número de contribuintes do Nacional do Social () tenha aumentado consideravelmente, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (), o déficit na Previdência está em R$ 248 bilhões. 

Veja também:

Mesmo em queda, desemprego é o principal motivo de endividamento no país

Para o economista José Márcio Camargo, ainda que a tenha reduzido as despesas de forma significativa, elas continuam crescendo. Por isso, é preciso encontrar um modelo que transforme o da receita em algo maior que o aumento de despesas.

Reforma administrativa

Segundo alguns economistas, é preciso efetuar uma Reforma Administrativa, para diminuir as despesas. Assim, será possível rever salários e a estabilidade dos servidores públicos. No entanto, embora a proposta da reforma tenha surgido durante o governo de (PL), ela não progrediu no Congresso Nacional.

Por fim, Marcos Mendes ainda cita o aumento das despesas do Legislativo com as emendas parlamentares, que financia partidos e eleições, o que contribui para que o governo não encontre receita para cobrir as despesas.

Imagem: Rafastockbr / shutterstock.com