Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Talvez seu namoro já tenha virado união estável e você nem imaginava: entenda

Você está em um relacionamento de anos e já não sabe mais qual o status da relação? Pois é, o amor pode ser confuso também nesta questão. O que muita gente não sabe é que às vezes o que era um namoro virou uma união estável sem mesmo o casal saber.

A união estável tem sido cada vez mais uma opção entre casais que decidem iniciar a vida juntos sem enfrentar as burocracias e gastos de um casamento civil. No entanto, é preciso entender o que configura esse tipo de relação perante a lei. 

O que faz com que uma relação se encaixe em uma união estável?

É importante destacar que os direitos de quem está em uma união estável são os mesmos de quem é casado. Isso acontece mesmo quando não existe a alteração do estado civil em cartório. 

Mas como saber diferenciar um namoro de uma união estável? Em alguns casos, a situação pode ser um pouco nebulosa e difícil de definir. Sendo assim, é possível analisar pela visão do Código Civil que define como união estável a junção amorosa entre duas pessoas com o objetivo de constituir família, sendo ela com ou sem filhos; relação duradoura e sólida (sem determinação de período); e a união pública em que testemunhas possam confirmar que existe um relacionamento.

A imagem mostra um casal abraçados, de costas, aparentemente em um campo de trigo.
Imagem: StockSnap/ Pixabay

Dessa forma, se entende como algo que pode diferenciar um namoro de uma união estável a intenção familiar do casal. Atualmente, tribunais de justiça, em casos de falecimento ou separação, levam em consideração essas definições para avaliar a situação dos envolvidos.

Veja também:

Argentina e Uruguai também começam a sofrer com inundações vindas do RS

No entanto, a formalização da União Estável é a maneira mais eficiente de proteger o casal judicialmente, afinal, ninguém sabe o dia de amanhã. Sendo assim, o registro pode ser realizado tanto em cartório, quanto através de contrato que garante autonomia do casal em assuntos patrimoniais.

Imagem: fizkes / Shutterstock.com