Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Afinal, o que ficou decidido pelo governo sobre a taxação de compras online?

Está preocupado com a taxação de compras online? Veja o que o ministro Haddad disse hoje sobre a situação das propostas do governo.

O plano do governo de taxação federal das compras online não será mais implementado em 2023, conforme anunciado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na última sexta-feira (22). Desse modo, a decisão teve como motivo principal a pendência de um processo no Supremo Tribunal Federal (STF) e as controvérsias ainda em negociação no Congresso em torno do assunto.

De modo geral, o imposto de importação tem gerado debates e divisões não apenas dentro do governo, mas também no Congresso. Parlamentares da oposição pedem providências e ações em relação a esse tema, enquanto outros o contestam e se opõem a ele.

Por que a taxação de compras online está em discussão?

Além das negociações no Congresso, o governo aguarda o veredito de uma ação no STF que questiona o programa “Remessa Conforme”. Portanto, esse programa isenta compras de até US$ 50 feitas em sites estrangeiros de tributos federais e estava animando os brasileiros que gostam de comprar pela internet.

Ilustração de um globo em miniatura com caixa em volta
Imagem: Oleksiy Mark / shutterstock.com

Dessa forma, dois processos foram apresentados originalmente, mas um foi rejeitado pela ministra Cármem Lúcia, considerando que a parte não tinha legitimidade para recorrer ao Supremo.

De acordo com Haddad, enquanto uma decisão final não é tomada, a Receita Federal continuará monitorando as encomendas das empresas que aderiram ao programa “Remessa Conforme”. Assim, só depois será possível definir uma alíquota de Imposto de Importação.

O Fisco havia estimado uma taxação federal de 28% em compras de sites estrangeiros, isso além do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 17%, um tributo estadual.

Enquanto isso, as encomendas continuam chegando. Atualmente, o Brasil recebe mais de 1 milhão de encomendas por dia. As mudanças na tributação impactarão todo o fluxo do comércio eletrônico, tanto para as empresas quanto para os consumidores.

Quais empresas aderiram ao “Remessa Conforme”?

Segundo a Receita Federal, as empresas que aderiram ao “Remessa Conforme” representam mais de 80% do volume de encomendas enviadas ao país. Dentre elas estão grandes marcas como Shopee, Mercado Livre, Shein, AliExpress, Sinerlog, Amazon e Magazine Luiza.

Veja também:

Atenção: atendimento do Bolsa Família será suspenso NESTAS datas

Em meio a todos esses debates e incertezas, a única certeza é que a tributação de compras online é um assunto que requer reflexão detalhada e participação de diversos setores, levando em consideração as várias complexidades envolvidas.

Imagem: Reprodução/ Freepik