Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Apple enfrenta ação judicial por disparidade salarial entre gêneros

A Apple está sendo processada por 12 mil mulheres por discriminação salarial. Descubra como a empresa responde a essa crise.

Uma ação coletiva polêmica que veio à tona recentemente coloca a Apple sob escrutínio público. O processo, instaurado na última semana em um tribunal de São Francisco, Califórnia, destaca um grave problema de disparidade salarial que afeta mais de 12 mil empregadas da gigante de tecnologia, conforme reportagem da Reuters.

De acordo com o processo, a Apple é acusada de praticar discriminação salarial sistemática, com as mulheres recebendo remunerações inferiores às dos homens em posições comparáveis nas áreas de engenharia, marketing e AppleCare.

Esta política de remuneração desigual está atrelada à metodologia de definição do salário base, que leva em conta o histórico salarial dos candidatos ou suas “expectativas salariais”.

Como a Apple determina os salários iniciais?

Fachada do prédio da Apple. Apple cai para microsoft
Imagem: askarim / shutterstock.com

O documento apresentado à corte revela que o método de determinação do salário pela Apple pode estar intrinsecamente enviesado.

A prática de basear a remuneração inicial nas expectativas salariais dos candidatos ou em seus salários anteriores, aponta a denúncia, tende a perpetuar as disparidades existentes. Isso ocorre porque os valores mencionados pelas mulheres geralmente são inferiores aos dos homens, devido a desigualdades prévias no mercado de trabalho.

Qual a posição da Apple frente às acusações?

Em resposta às alegações, a Apple defendeu sua política de remuneração. Em um comunicado oficial, a empresa afirmou seu compromisso com a inclusão e a igualdade salarial.

“Desde 2017, a Apple alcançou e manteve a igualdade salarial entre homens e mulheres e todos os anos fazemos parceria com um especialista independente para examinar a remuneração total de cada membro da equipe e fazer ajustes, quando necessário, para garantir que mantemos a igualdade salarial”, declarou a empresa.

Impacto da legislação Californiana sobre a política de salários

Desde 2018, uma lei na Califórnia proíbe que empregadores solicitem ou considerem o histórico salarial dos candidatos a emprego. Esta legislação foi criada com o objetivo de eliminar as disparidades salariais baseadas em gênero e raça.

Entretanto, como destacado no processo, a prática adotada pela Apple, mesmo que indiretamente, contraria esse espírito legislativo ao determinar os salários com base nas expectativas dos candidatos, o que pode refletir e perpetuar desigualdades prévias.

Demandante apresenta outra acusação

A ação judicial alega que a Apple infringiu a Lei de Igualdade Salarial da Califórnia, que proíbe a discriminação de gênero na remuneração. Também cita outras leis estaduais que impedem preconceitos sexuais no ambiente de trabalho e práticas comerciais injustas.

Veja também:

Bolsa Família com bônus de R$ 100 em junho! Veja como receber

Adicionalmente, uma das demandantes, Justina Jong, relata que a Apple se recusou a transferi-la para outra equipe após ela ter reclamado de assédio sexual por parte de um colega. A matéria da Reuters não forneceu mais informações sobre essa acusação.

Imagem: askarim / shutterstock.com