Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Banco Central: servidores mantêm greve por tempo indeterminado

0

Na última terça-feira, 10 de maio, os servidores do Banco Central decidiram em assembleia pela manutenção da greve. O reajuste salarial e a reestruturação de carreira são reivindicados através da paralisação, que é coordenada pelo Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

A greve teve início no dia 1º de abril, quando foi aprovada pela grande maioria dos servidores, já que o governo federal recusa-se a negociar com a categoria. Porém, ela foi suspensa entre os dias 20 de abril e 2 de maio.

De acordo com o Estadão, até dia 22 de maio, o governo deve deliberar sobre um reajuste linear de 5% a todos os funcionários públicos federais.

É provável que você também goste:

1,7 milhão de dívidas em atraso foram renegociadas no Mutirão em março, segundo o Banco Central

Banco Central anuncia novo recorde de transações pelo Pix em um único dia

Governo tenta evitar greve dos caminhoneiros contatando lideranças

Reajuste salarial

Após o presidente Jair Bolsonaro prometer conceder aumento salarial aos policiais, as mobilizações ganharam força. E, com a pressão das categorias, o governo federal voltou atrás e anunciou um reajuste de 5% a todos os servidores ligados à União.

Entretanto, o anúncio do reajuste pelo governo não agradou, pois a categoria o considerou insuficiente. Sendo que os funcionários do Banco Central reivindicam recomposição salarial de 27%, além de reestruturação de carreira, incluindo a exigência de nível superior para concursos que preenchem cargos técnicos.

“Em face da intransigência do governo, os servidores do Banco Central em todo o país voltaram a cruzar os braços a partir de 3 de maio. A intensificação do movimento reivindicatório se dá após meses de tentativas frustradas, por parte da categoria, de estabelecer uma agenda negocial com o Executivo”, explicou em nota o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

Os servidores voltaram à paralisação, de acordo com o Metrópoles, pois o presidente do Banco Central, não providenciou uma reunião do sindicato com Ciro Nogueira, ministro da Casa Civil, para discutir sobre o reajuste.

Segundo o Sinal, a perspectiva é que a adesão à greve aumente, porém serviços essenciais, como o Pix e iniciativas do Comitê de Política Monetária (Copom), não serão impactados.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal no YouTube e em nossas redes sociais, como o  Facebook, Twitter, InstagramTwitch. Assim, você acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: rafastockbr / Shutterstock

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar

Fechar