O ano começou com uma nova fase do Cadastro Positivo: a liberação de base de dados dos bureaus de crédito para consultas. Neste momento são 4 birôs de crédito: SPC Brasil, Serasa Experian, Boa Vista e Quod. De acordo com a Noverde, fintech de crédito online para as classes C e D, o Cadastro Positivo impacta na forma como o perfil de uma pessoa é vista por instituições financeiras como as fintechs (startups que atuam no mercado financeiro). Na prática, a ferramenta pode auxiliar no avanço dos trabalhos de democratização de crédito.

É provável que você também goste:

Clientes do Banco Inter agora ganham 2% de cashback em compras da Playstation Plus.

Nubank segue oferecendo limite de R$ 50,00 e 12 milhões de pessoas já possuem o seu cartão de crédito.

Cadastro Positivo pode ajudar a conseguir mais crédito, mas é preciso tomar cuidado.

Cadastro Positivo facilitará crédito para classes C e D no Brasil

Primeiramente, segundo a Diretora de Crédito da Noverde, Heloísa Carvalho, uma das vantagens do Cadastro Positivo é a atualização das informações.

“A ferramenta mais usada pelas instituições financeiras nestas tomadas de decisões é a Central de Risco do Banco Central, que mostra os dados de comportamento financeiro das pessoas atualizados dois meses antes da consulta. No Cadastro Positivo, a atualização é de sete dias anteriores à pesquisa”, explica Heloísa. No futuro, há a previsão de que sejam incluídos outros dados como movimentações no varejo e as utilities (contas de água, luz, telefonia…).

Ao contrário do temido Cadastro Negativo – que mostra apenas o histórico de inadimplências do consumidor “negativado” -, o Cadastro Positivo foca em mostrar o bom comportamento financeiro do cliente evidenciado por registros de pagamentos de contas em dia e histórico de crédito. A expectativa do Banco Central é democratizar o acesso ao crédito no Brasil. Aliás, este trabalho já vem sendo desenvolvido no Brasil de forma pioneira pela Noverde há quatro anos.

Quando ainda não existia o Cadastro Positivo, a fintech percebeu que havia um problema no mercado de empréstimos. Ou seja, a análise de crédito de bancos e outras instituições financeiras deixaram milhões de brasileiros sem alternativas por não atenderem requisitos como comprovação de renda, algo difícil de ser feito por autônomos. A startup desenvolveu uma maneira própria de analisar um pedido de empréstimo por meio de um aplicativo que analisa dados do cliente que realmente importam e são mais assertivos para esse público.

Cadastro Positivo favorece bons pagadores

Enfim, os números mostram que essa linha de atuação deu certo: de acordo com uma pesquisa realizada pela Hibou com 1341 clientes recorrentes (que realizaram mais de um empréstimo) da Noverde, 51,7% realizaram mais de dois empréstimos nos últimos 12 meses seguindo os critérios próprios da fintech. Na medida em que é desenvolvido um relacionamento com cliente de bom comportamento financeiro, são concedidas algumas vantagens como taxas de juros menores em novas solicitações que, por sinal, é um dos objetivos do Banco Central com o Cadastro Positivo.

Esse favorecimento aos bons pagadores inicia um ciclo interessante no mercado de crédito brasileiro em que a eficiência na concessão de crédito será destacada. De acordo com o CEO da Noverde, Eduardo Teixeira, o compartilhamento de dados positivos entre empresas de diferentes setores pode evitar o superendividamento, diminuir a inadimplência e promover um crescimento sustentável do setor. “Com consumidores mais conscientes em uma época em que se valoriza a educação financeira, apostamos em uma concessão de crédito mais precisa e justa”.

Sobre a Noverde

A equipe da Noverde desenvolveu uma inteligência própria para reconstruir a forma como o mercado de crédito trabalhou nos últimos anos que deixou milhões de bons pagadores sem ofertas de produtos financeiros de qualidade. Sua análise de crédito é capaz de analisar dados “não-convencionais” como informações disponíveis em smartphones. Com isso, é possível conhecer melhor o perfil do usuário com mais assertividade, diminuir riscos e promover inclusão financeira de um modo inédito no Brasil.

O aplicativo, com mais de 1,5 milhão de downloads, é líder em satisfação de clientes na categoria de empréstimos e está disponível na Google Play. A Noverde faz parte da ABCD (Associação Brasileira de Crédito Digital) e já recebeu aporte de investimento da DOMO Invest. Mais informações sobre a experiência de crédito da Noverde podem ser acessadas em https://noverde.com.br

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: songpholt via shutterstock.com