Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Com elevação na taxa Selic, dívida pública pode chegar a R$ 100 bi

A taxa Selic é uma das principais taxas responsáveis por remunerar os investidores que compram os títulos da dívida pública

0

Com alta dos juros para conter a inflação no ano de 2021, ocorrerá o impacto na dívida pública que já encerrou fevereiro com 90% do PIB. A Selic pode levar aumento de aproximadamente R$ 100 bilhões no endividamento público ainda este ano. As informações são explicadas pelo André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos.

Selic é a taxa básica de juros responsável por remunerar os investidores que fizeram compra de títulos de dívida pública. Por isso, muitos bancos usam as taxas do Selic como base para calcular o valor de repasse dos investidores.

Além disso, Perfeito lembra que o Tesouro pode escolher fazer algumas alterações na estratégia de emissões de papéis para minimizar o impacto nos meses seguintes.

Dessa forma, a decisão visa reforçar a estrutura de preços no Brasil para evitar que ela se quebre, o que geraria um custo mais elevado.

É provável que você goste também:

Imposto de Renda 2021: na declaração deve constar FGTS e auxílio emergencial

Home office: Creditas tem 250 vagas de trabalho disponíveis

Impacto na dívida pública

Boa parte dos títulos que são emitidos pelo Tesouro Nacional são usados para quitar o endividamento público e remuneram os investidores que usam a Selic como base. Há também a variação de Índice Oficial de Inflação (IPCA).

Portanto, do estoque de R$ 5,198 trilhões divididos em papéis que estão com os investidores no final do mês de fevereiro, cerca de 35% foram corrigidos pela Selic e outros com 26% pela inflação.

Uma das consequências negativas que podem surgir é que em 2021 ocorra a alta de preços em relação ao patamar da Selic. O que acompanhará o reajuste semanalmente sobre o mercado.

Entretanto, já no final de janeiro, o Tesouro divulgou que o Plano Anual de Financiamento (PAF) de 2021, através de projeções dos analistas ouvidos pelo BC no Relatório Focus, aponta para o IPCA acumulado em 3,50% neste ano. 

Apesar do impacto desse aumento dos juros, e da inflação em cima do endividamento brasileiro, José Franco de Morais, subsecretário da Dívida Pública do Tesouro, contou que isso não significa necessariamente que haverá um aumento das despesas de curto prazo do órgão. Isso aconteceria, uma vez que parte dos papéis acompanhados pela Selic não quita cupons semestrais para os investidores.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então é só seguir o Seu Crédito Digital no YouTubeFacebookTwitterInstagram e Twitch. Assim você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos etc. Siga a gente para saber mais!

Imagem: rafastockbr / Shutterstock.com

Comentários
Carregando...